quinta-feira, 13 de outubro de 2011

BISPO DE RONDÔNIA É AMEAÇADO DE MORTE


Dom Moacyr Grechi sofreu ameaças de fazendeiro

Dom Moacyr Grechi sofreu ameaças depois de ter pedido a Ouvidoria Agrária intervir para evitar o despejo de  45 famílias de posseiros de Ariquemes . 

Dom Moacyr tinha pedido a intervenção da Ouvidoria Agrária e a Justiça Federal concedeu um prazo de mais 60 dias para as famílias. 

Segundo o INCRA, existe uma ação de retomada judicial da área, pois é terra da união. Dom Moacyr teria registrado queixa na Delegacia de Polícia Civil e o MPF aberto inquérito civil público para averiguar as ameaças recebidas. 

Ministério Público Federal em Rondônia abriu na semana passada um Inquérito Civil Público para averiguar ocorrências de atentados a Direitos Fundamentais do arcebispo de Porto Velho, Dom Moacir Grechi. O arcebispo vem recebendo ameaças de morte por causa de sua atuação na Comissão de Justiça e Paz junto aos movimentos sociais. Dom Moacir registrou queixa na Delegacia de Polícia Civil e um suspeito pelas ameaças já teria sido ouvido.

Segundo o Ministério Público Federal a instauração do Inquérito se justifica devido à “flagrante ausência de políticas públicas voltadas para a redução da violência no Estado de Rondônia, notadamente no que se refere à violência decorrente de movimentos sociais, sejam urbanos ou rurais, o que tem resultado historicamente na ocorrência de diversos crimes contra lideranças comunitárias”. 

Dentre as providências já tomadas preliminarmente, o MPF-RO solicitou à Direção Geral da Polícia Civil cópia das informações sobre as providências já adotadas em relação à denúncia, principalmente o teor do interrogatório de uma dos acusados; comunicação do fato à Ouvidoria Agrária Nacional; e ao próprio Dom Moacir Grechi que matenha o MPF-RO informado sobre qualquer outra ocorrência de ameaças que venha a sofrer durante o curso das investigações.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

RO: CADA POVO TEM OS POLÍTICOS QUE MERECE

O senador Reditário Cassol (PP-RO) criticou o auxílio pago pelo governo federal às famílias dos presos e defendeu o uso do chicote como forma de disciplinar os detentos.




Podemos chicotear os politicos semi-analfabetos e corruptos também?

quarta-feira, 20 de julho de 2011

REVISTA VEJA PODE PUBLICAR ESCÂNDALOS DE DEPUTADA DO ACRE

Revista Veja tem escutas telefônicas de Antônia Lúcia
Já está há mais de 60 dias nas mãos do jornalista Hugo Vaz que trabalha para a Revista Veja, as conversas do grampo telefônico autorizado pela justiça e, feito pela Policia Federal e o Ministério Público Federal do Acre, contra a deputada federal Antônia Lúcia (PSC/AC).
Hugo é o mesmo jornalista que foi xingado no senado pelo ex-presidente da república Fernando Collor, por ter gravado uma conversa ao celular. Vaz também é responsável por descobrir as consultorias do ministro da casa civil, Antonio Paloci, homem de confiança da presidenta Dilma Roussef.
A deputada é “missionária” da Igreja Evangélica Assembléia de Deus e mulher do deputado federal Silas Câmara, pastor da mesma igreja. Antônia Lúcia é processada por compra de votos, fraude processual, formação de quadrilha, peculato e falso testemunho. A Justiça determinou a quebra do sigilo telefônico da deputada e de pessoas ligadas à sua campanha.
De acordo com o Ministério Público Federal do Acre, Antônia Lúcia e outras dez pessoas participaram de uma distribuição de combustíveis em 28 de agosto de 2010. Pouco tempo depois, em 6 de setembro, a Polícia Federal apreendeu uma caixa com R$ 472 mil em um carro em que estava a filha da deputada. Segundo o MP, o dinheiro seria utilizado na campanha.
O conteúdo do grampo – Nas conversas telefônicas registradas pela justiça, a deputada mantém longos diálogos com o ex-diretor de policia civil do Acre, e, deputado estadual Walter Prado, de maneira bem íntima. Diálogo semelhante ocorre também com o jornalista Ray Melo, assessor da missionária e que trabalha também para o jornal “O Rio Branco”, e o site AC 24 HORAS. Ambos aparentemente colaboravam com as ações da deputada.
Em outros trechos do grampo, a missionária faz acertos referentes à distribuição de combustíveis, recrutamento de eleitores para compra de votos, e principalmente sobre a remessa de quase R$ 500 mil, para financiamento de sua campanha eleitoral. Existem também trechos quem Lúcia, faz acertos com o marido, e revela o medo de estar sendo vigiada.
As mesmas conversas também estão sendo remetidas para o jornal Correio Brasiliense, Revista Època, e demais veículos de comunicação de grande porte do país, inclusive emissoras de TV. O envio dos documentos tem sido feito por adversários e inimigos político da deputada, que tem interesse na vaga dela no Congresso, caso seu mandato seja cassado.
Enquanto a deputada tenta articular seu mandato, está sendo investigada e vigiada 24 horas pela grande imprensa nacional e até a justiça.

terça-feira, 19 de abril de 2011

CONSUMO DE DROGAS NO ACRE

Meninas de 8 anos e mulheres de até 60 anos consomem oxi e fazem programas por R$ 2
Carolina Benevides, O Globo
Crianças na pista da BR 364, que liga Rio Branco, no Acre, a Porto Velho, em Rondônia, na BR 317 - a Estrada do Pacífico - e no bairro da Judia, na capital acreana, ficam horas e horas nas ruas, mas não estão brincando. Nas BRs, as meninas, com idades entre 8 e 14 anos, estão à espera de caminhoneiros, com quem vão fazer programas que custam entre R$ 2 e R$ 5. Na Judia, bairro de classe média baixa, elas ocupam as calçadas e são abordadas por homens de todas as idades. Além de se prostituírem, usam drogas como merla, cocaína e oxi - uma nova droga, subproduto da cocaína e pior que o crack, que surgiu no Acre e já se espalhou pela Região Norte, por estados do Nordeste e do Centro-Oeste e chegou a São Paulo, conforme O GLOBO mostrou no último domingo.
Na capital, as meninas são encontradas também perto do Mercado, na antiga rodoviária, no bairro 6 de Agosto, na Avenida Chico Mendes, na esquina da Rua 24 de Janeiro e perto das pontes que cortam a cidade. As menores vão para as ruas por ordem dos pais.
- As mais vulneráveis são as que moram perto das BRs e do bairro da Judia. Elas completam 8 anos e os pais as mandam para as ruas para conseguir dinheiro, dizem abertamente que devem se prostituir. Eles misturam cocaína com suco, elas tomam e saem. Começam praticando sexo oral e recebendo carícias. Daí, para o sexo é rápido - conta Z., que oferece ajuda para as prostitutas de Rio Branco desde 1987.
Segundo Z., na capital, cada bairro tem seu ponto de prostituição, divido entre as menores, as mulheres casadas, as que se vestem melhor, as mais pobres e os travestis. Em comum, a droga:
- Nas décadas de 80 e 90, elas não se drogavam. Hoje, a cada 50 profissionais do sexo, uma faz de cara limpa. Elas têm usado muito oxi e também bebem cada vez mais e mais cedo. A justificativa é: "Preciso chapar para encarar o programa".
Perto do Mercado, mulheres e crianças oferecem programas a partir das 9h. Elas usam um bar, na beira do Rio Acre, com pequenos quartos nos fundos para atender aos clientes. Funciona todos os dias da semana até as 22h e os preços variam de R$ 5 a R$ 20, dependendo do serviço a ser feito. Por lá, as drogas são vendidas a partir de R$ 5 e é possível encontrar oxi, merla e cocaína.
- Usei oxi pela primeira vez com um cliente. Ele trouxe, deu uma fissura legal. Peguei o dinheiro que ganhei dele e fui comprar pedra. Agora, uso todo dia e me sinto bem - conta H., de 23 anos, que têm três filhos e desde que começou a fumar, há pouco mais de um mês, não tem passado muito tempo com eles.
Essa sensação de bem-estar que as usuárias de oxi relatam - "minha viagem mais tranquila", "quem inventou oxi é abençoado", "tive momento de paz" - tem feito com que quem divide espaço com elas nos bares, prostíbulos e até nas ruas passe a usar a pedra. O interesse na droga é tanto que alguns traficantes dão as pedras para que usem durante os programas e viciem os clientes.
- O oxi faz com que esqueçam a camisinha, com que peguem HIV, hepatites e nem se importem de passar para os clientes, além de não se cuidarem e de terem muitos filhos. E, infelizmente, em Rio Branco, sexo e droga são experiências cada vez mais precoces - conta Alvaro Augusto Andrade Mendes, pesquisador da Associação de Redução de Danos do Acre (Aredacre)

segunda-feira, 18 de abril de 2011

terça-feira, 5 de abril de 2011

JORGE VIANA É OFUSCADO PELA IMPRENSA DE RONDÔNIA

Acostumado com os holofotes da imprensa acreana, o Senador do Acre, Jorge Viana (PT), foi deixado de lado pelos jornais de Rondônia. 
Viana acompanha Comissão de Meio Ambiente, Fiscalização e Controle do Senado que está em visita ao canteiro de obras da Usina Hidrelétrica de Jirau. Os senadores tentam entender os motivos dos protestos violentos dos trabalhadores da Usina que resultaram na paralisação das obras do maior empreendimento do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal – Pac.
Jorge Viana é sua equipe sempre deram um jeitinho com dinheiro público de pagar jornais, rádios, TV’s, sites e demais veículos de comunicação que possam lhe aproximar do público e torná-lo um “líder”. Mas em Rondônia o senador acreano azedou feio. Jorge Viana ganhou apenas tímidas citações em textos dos jornalistas.
O site Rondônia Agora, em seus textos nem mencionou o nome de Viana. Outra página eletrônica como Rondonia ao Vivo, também fez o mesmo. Já o jornal O Rondoniense, colocou o nome de Jorge Viana, praticamente na última linha, bem no final do parágrafo. E assim sem mantiveram os outros veículos de comunicação.
Nunca na sua história política Viana, esteve tão apagado, como nesse evento com os senadores. Acontece que Jorge, não tem o mesmo prestígio que os colegas eleitos naquele Estado, como: Ivo Cassol (PP-RO), Acir Gurgacz (PDT-RO) e Valdir Raupp (PMDB-RO). Ambos não são aliados dos petistas. O próprio Cassol quando governador andou puxando a orelha dos PT acreano. Afinal sempre dependemos economicamente dos rondonienses.
Viana provou finalmente do doce veneno. Assim como faz com a oposição tentando afastá-los dos principais jornais, ele agora sentiu na pele o que é ser tratado como um "Zé Ninguém".

sábado, 2 de abril de 2011

SENADOR DO ACRE PODE TER O MANDATO CASSADO

A direção do PMN no Acre deu entrada no Supremo Tribunal Federal (STF) com um mandado de segurança em que pede a cassação do senador Anibal Diniz (PT-AC) por fraude, falsidade ideológica, improbidade administrativa e abuso de poder econômico e político.
O mandado de segurança é assinado pelo senador Sérgio Petecão (PMN-AC), presidente da sigla no Estado, e pelo secretário-geral Carlos Augusto Coelho de Farias.
Ambos acusam Diniz de não ter se desincompatibilizado de cargo público no prazo legal para concorrer às eleições em 2006, como primeiro-suplente de Tião Viana (PT-AC).
Coelho é o segundo-suplente. Diniz, que era o primeiro-suplente, assumiu a cadeira de senador em dezembro do ano passado, uma semana antes de Viana tomar posse como governador do Acre.
Petecão e Coelho afirmam que Diniz “chegou ao Senado através de Ato Secreto” porque foi exonerado do cargo de secretário de Comunicação do governo do Acre no dia 1º de abril de 2006.
Segundo os dirigentes do partido, no dia 24 de abril, Diniz foi nomeado pelo decreto nº 14.223, retroativo a 1º de abril, para o cargo em comissão de assessor especial da Secretaria Extraordinária de Desenvolvimento das Cidades e Habitação.
O decreto, de acordo com Petecão e Coelho, foi mantido em sigilo durante nove meses, o que inviabilizou eventual recurso contra diplomação ou ação de impugnação do mandato eletivo de Diniz.
O senador Anibal Diniz disse que seus dois adversários estão querendo prorrogar o processo eleitoral.
- Estou tranqüilo porque este é um assunto requentado. Eles perderam no TRE, recorreram ao TSE e também também perderam. Depois foram ao STF, que julgou a ação sem mérito. Tomei posse porque não houve nenhum impedimento - acrescentou.
Diniz adiantou que a direção do PT no Acre deverá se manifestar ainda nesta quinta-feira contra a atitude do PMN.

Nota da diretório regional do PT:

"Com a imprensa nacional noticiando a decisão de abandonar o PMN na carona de manobra do prefeito de São Paulo para burlar a legislação eleitoral, o senador Sérgio Petecão, ao invés de esclarecer sobre a sua infidelidade partidária, investe novamente contra a Frente Popular do Acre, a mesma que ele usou tantas vezes para se eleger e depois abandonou sem justificativas, passando a criticar e a ofender os companheiros que lhe garantiram oito anos de presidência da Assembléia Legislativa e um mandato de deputado federal.

Agora o Senador Sérgio Petecão leva ao Supremo Tribunal Federal um pedido de cassação do senador Aníbal Diniz. É a mesma ação já julgada em várias instâncias, com a Justiça reconhecendo a legitimidade do mandato de Aníbal Diniz, que assumiu o Senado com a eleição do senador Tião Viana para o Governo do Acre.

Provas e sentenças judiciais sustentam que não houve falha no registro da candidatura de Aníbal Diniz a primeiro suplente do senador Tião Viana, em 2006, como quer o senador Sérgio Petecão para cassar Aníbal e empossar o segundo suplente, um conhecido assessor de Petecão, o senhor Carlos Coelho. Só isso basta para revelar a natureza duvidosa dos interesses desse processo, já enterrado pela Justiça Eleitoral. É mais uma manobra de pessoas desocupadas, que nunca souberam o que é trabalho e não têm compromisso com o nosso povo nem com nosso Estado.

Parece que o senador Sérgio Petecão  e seu assessor-suplente tentam tirar o último proveito do PMN, antes de jogar fora o bagaço da laranja chupada. É público que sua nova filiação vem sendo negociada com o governador do Amazonas, deixando de lado os que lhe ajudaram a fazer o PMN no Acre e pegando o atalho para um “novo partido” que nasce no berço rico do prefeito de São Paulo, outro que, como Petecão, parece esquecer-se da recente campanha que fez para José Serra e contra a presidenta Dilma.

O senador Sérgio Petecão, por conta de suas negociatas políticas, está deixando em dúvida se o mandato que ele recém conquistou é do Acre ou do Amazonas. Achando pouco, está querendo se apropriar de um mandato que é legítimo do PT e tão bem exercido pelo Senador Aníbal Diniz.

A história política de Aníbal Diniz se confunde com a história do próprio PT no Acre. Militante fundador do Partido, sempre teve papel decisivo na construção da Frente Popular e no sucesso dos nossos governos. E, com competência e dedicação, desempenha o desafio de representar o nosso projeto no Senado Federal.

O Acre está dando certo, o Brasil está dando certo. Resultados que são fruto do trabalho árduo e persistente de pessoas sérias, honestas e comprometidas com a população menos favorecida do nosso país. No Acre, seguimos sob a liderança do governador Tião Viana rumo à afirmação de uma sociedade mais justa. Depois do sucesso do governo Lula, o Brasil avança com a presidenta Dilma.

O Partido dos Trabalhadores exige coerência, seriedade e respeito na política. É preciso deixar que as pessoas de bem investidas em mandatos públicos possam trabalhar, especialmente Aníbal Diniz, senador legitimamente empossado, preparado para o exercício da função e dedicado a exercer um mandato exclusivamente a favor do povo do Estado do Acre e do Brasil.
Rio Branco-Acre, 31 de março de 2011

Direção Regional do Partido dos Trabalhadores"

terça-feira, 29 de março de 2011

EX-PREFEITO É DENUNCIADO POR IMPROBIDADE

MPF/AC denuncia ex-prefeito de Marechal Thaumaturgo por desvio de verbas
Empreiteiro também foi denunciado por fraude na execução de projeto
O Ministério Público Federal no Acre (MPF/AC) ingressou com uma ação penal e uma ação de improbidade administrativa contra o ex-prefeito do município de Marechal Thaumaturgo, Itamar Pereira de Sá e o empresário Antônio da Costa Assis, representante da empresa América Ind. e Com. Ltda. Os fatos que motivaram a ação foram o desvio de R$ 64,7 mil de verbas públicas oriundas de convênio com o Ministério da Integração Nacional para a pavimentação de ruas naquela cidade, distante cerca de 600 km de Rio Branco, capital do Acre.
O convênio original era para a construção de uma ponte e pavimentação de duas ruas, que deveriam dispor de duas pistas e canteiro central, porém a vistoria do órgão concedente do convênio, o Ministério da Integração Nacional, detectou fraude na parte que se refere à pavimentação das ruas, que foram pavimentadas com apenas uma pista e sem o canteiro central. A análise documental comprovou que o então prefeito Itamar de Sá pagou totalmente a obra, como se tivesse sido executado o projeto inicial.
Os valores atualizados do desvio chegam a R$ 164 mil, e caso os acusados sejam condenados este valor deverá ser devolvido. Além disso, os acusados também podem pagar multa civil equivalente ao dobro do dano, ou seja, R$ 329 mil. Pela improbidade administrativa também pode haver a suspensão dos direitos políticos por até oito anos, além da proibição de contratar com o Poder Público ou receber créditos pelo prazo de cinco anos.
Pela ação penal, que pede o enquadramento dos acusados em crime de responsabilidade previsto no Decreto-Lei 201/67, pode ser aplicada pena de detenção de até 12 anos, além de haver perda de cargo ou função pública, eletiva ou de nomeação, sem prejuízo da reparação do dano ao erário. 
Do MPF/Ac

sábado, 26 de março de 2011

A CASA VAI CAIR


Acusações de abusos do poder econômico podem derrubar Tião Viana e mais 6 governadores
Eles derrotaram adversários na eleição em outubro, mas um terceiro turno pelo cargo pode estar diante de sete governadores acusados de irregularidades na campanha de 2010 e que podem ter seus mandatos cassados.
A movimentação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) envolve denúncias de abuso de poder econômico e político, compra de votos e uso indevido de meios de comunicação, acusações que custaram o mandato de três governadores somente nos últimos quatro anos.
A ameaça existe mas, apesar das recentes cassações, o risco da perda de mandato é considerado mínimo por lideranças políticas ouvidas pela Reuters.
Sob suspeita, estão os governadores do Acre, Tião Viana (PT); do Amazonas, Omar Aziz (PMN); de Minas Gerais, Antonio Anastasia (PSDB); do Piauí, Wilson Martins (PSB); do Rio Grande do Norte, Rosalba Ciarlini (DEM); de Roraima, Anchieta Júnior (PSDB), e do Tocantins, Siqueira Campos (PSDB).
"Eu conheço a maioria dos casos e acredito que não vão prosperar", disse o presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PE). "O importante é não deixar esse tipo de questionamento vivo."
A tranquilidade em relação à perda do mandato, no entanto, pode esbarrar no histórico recente do TSE.
Desde 2006, três governadores foram cassados pelo tribunal, todos acusados de abuso de poder econômico e político, entre outras irregularidades. As denúncias derrubaram os governantes de Paraíba, Maranhão e Tocantins, cassados dois anos após serem empossados.
"A cassação de três governadores é efetivamente grande no Brasil. Cria-se uma jurisprudência", disse o advogado Maurício Oliveira Campos, especialista em direito eleitoral. "Nos processos atuais, o acirramento do período eleitoral se despejou no período pós-eleitoral."
Caso as cassações se confirmem, os vices também perdem seus cargos, já que a chapa eleita é invalidada, segundo o TSE.
A lei prevê nova eleição no caso de definição em primeiro turno e a posse do segundo colocado para vitórias ocorridas em segundo turno. Se a duração dos últimos processos serve como um indicativo, os julgamentos podem levar tempo para serem concluídos.
"Não vejo iminente a perda de mandato em nenhum dos casos (atuais)", afirmou o líder do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza.
"A lei não é clara, tem muitos furos. Eu sou a favor de que, uma vez diplomado, uma vez tomado posse, só com fato novo possa se pedir a cassação, senão você fica instigando uma discussão que não faz sentido", disse o deputado.
CHORO DE PERDEDOR
A sensação de um "terceiro turno" do período eleitoral não se restringe à arena política. Especialistas veem as representações como um movimento natural dos derrotados nas urnas e adotam cautela sobre o fato de sete governadores serem acusados de crimes eleitorais.
"Tudo isso diz respeito a fatos ocorridos na campanha eleitoral. Eu não vejo nenhuma gravidade... é plenamente previsível", explicou Fernando Neves, advogado especialista em direito político e ex-ministro do TSE. "Hoje é muito normal, quem perde a eleição propõe uma ação contra quem ganha."
Dos outros processos em trâmite, quatro são de autoria de rivais derrotados, que acusam os governantes eleitos em Minas Gerais, Piauí, Rio Grande do Norte e Tocantins de compra de votos e abuso de poder econômico e político.
"Naturalmente existe um fator político, no sentido de desestabilizar o governo do adversário", disse o advogado Campos. "Algumas vezes é choro de perdedor."
Em Roraima, o governador Anchieta Júnior já perdeu seu mandato, cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Ele recorreu ao TSE, que concedeu mandado de segurança suspendendo a decisão.
No Acre e no Amazonas, as ações foram iniciadas pelo Ministério Público Eleitoral (MPE).
HUGO BACHEGA - REUTERS

segunda-feira, 21 de março de 2011

CORRUPÇÃO SE APRENDE NA ESCOLA


MPF/AC aciona ex-gestores da Ufac por improbidade e peculato
Administradores autorizavam pagamento de pensões acima do permitido por lei
O Ministério Público Federal no Acre (MPF/AC) entrou com uma ação de improbidade administrativa e uma ação penal contra ex-administradores da Universidade Federal do Acre (Ufac) que, entre 2004 e 2008, realizaram despesas de mais de R$ 1,2 milhão, sem autorização legal. A ilegalidade consistia no pagamento de pensões por morte sem a aplicação de um redutor de 30% do excedente sobre o limite da previdência social.
Foram arrolados nas ações o ex-reitor Jonas Pereira Filho, além de Francisco Saraiva de Farias que à época era pró-reitor de administração, o ex-chefe do serviço de legislação trabalhista Euvaldo Gonçalves da Silva e os ex-diretores de pessoal Rosemir Santana de Andrade e Jaider Moreira de Almeida.
Segundo a ação, de responsabilidade do procurador da República Anselmo Henrique Cordeiro Lopes, os ex-administradores tinham, em conjunto, a responsabilidade de instituir as pensões no âmbito da Ufac, tendo preferido agir de maneira irregular. O Tribunal de Contas da União já proferiu acórdão condenando os acusados ao pagamento de multas administrativas e à obrigação de revisar os valores das pensões.
Além da concessão das pensões irregulares, os gestores também agiram contra a lei ao conceder aos pensionistas reajustes equivalentes aos do pessoal da ativa, contrariando normas que condiciona os reajustes de pensões aos reajustes dos benefícios do Regime Geral da Previdência Social.
Se a Justiça julgar a ação de improbidade procedente, os acusados poderão perder o cargo público que ocupam, além de serem obrigados a devolver os R$ 1,2 milhão e pagar ainda a multa civil de mais R$ 2,5 milhões, além de terem os direitos políticos suspensos pelo prazo de até oito anos e ficarem proibidos de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, pelo prazo de cinco anos.
Pelo crime de peculato, os acusados podem ser condenados à pena de detenção de até 12 anos mais pagamento de multa.
Com informações do MPF/AC.

domingo, 20 de março de 2011

CADÊ A SINALIZAÇÃO?

 Trânsito de Porto Velho: na contramão do dinheiro público.
Descobri que sem utilizar um localizador guiado por satélite (GPS) não conseguiria ir para muitos locais dirigindo um carro em Porto Velho – Rondônia. A cidade completa em 2011, 97 anos de emancipação política e administrativa, tem mais de 500 mil habitantes de acordo com levantamento de 2010, do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas. Mas, entre os seus diversos problemas sociais, um deles é visível para qualquer turista que pisa pela primeira vez no local.  O trânsito é quase caótico.
Um turista ficaria perdido ao circular de carro. As ruas não têm sinalização, placas identificando ruas são difíceis de ver. A frota de veículos cresce em média 16% a cada três anos, de acordo com o anuário estatístico do Departamento Estadual de Trânsito. São mais de 500 mil veículos circulando na cidade hoje. Para se ter uma idéia entre 2008 e 2009, o número de mortes ultrapassou 33%, e esses dados continuam evoluindo.
Os gestores públicos não podem cobrar uma postura correta dos condutores, se não há investimentos na melhoria do trânsito da capital. Demonstra inércia ouvir Prefeito, Governador, políticos, entre outros, argumentando que a imprudência, somado ao excesso de velocidade, consumo exagerado de bebida por motoristas e falta de permissão para dirigir são os únicos fatores que contribuem para as mortes nas ruas e o crescente número de acidentes. Atribuir culpa aos motoristas é fácil, difícil é ver recursos do IPVA – Imposto sobre Veículos Automotores, e demais tributos tendo o seu destino correto, que é a melhoria da infraestrutura do trânsito.
Porto Velho arrecadou ano passado R$ 371,02 milhões de ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, e, recebeu mais de R$ 3 milhões de IPVA. Olhando as ruas da cidade, fica uma dúvida grande ao cidadão, e, que parece não ser a mesma preocupação do Ministério Público Estadual e dos órgãos reguladores do dinheiro público: onde foram parar tantos milhões de reais, quem ficou com essa bolada?
Se for dever do contribuinte pagar seus impostos em dia, em tese os gestores públicos deviam apresentar os resultados da arrecadação realizando obras e serviços que possam garantir melhoria da qualidade de vida do povo. Tem alguém rasgando a Constituição Brasileira, e as leis que regem o bom uso dos recursos públicos e investimentos no trânsito. Melhor dizendo, tem “rato” roubando dinheiro com sabor de queijo. Que máfia é essa? 
Muitas capitais do Norte já evoluiram na conscientização, educação, fiscalização, sinalização do trânsito e já conseguem colocar ordem na bagunça que havia nas ruas. Porto Velho se aproxima da Índia, Bolivia, onde não há regra entre motoristas, e a situação vai piorando. Com vontade política, bons projetos e união entre os poderes é possivel ter avanços significativos em 12 meses. E quando nada vai bem, resta ao povo protestar!

sábado, 19 de março de 2011

SENADOR DO ACRE SERÁ JULGADO PELO STF


Está com o ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal (STF), um pedido do Ministério Público Federal (MPF) do Acre para abertura de investigação contra o senador Jorge Viana (PT-AC) por suposto crime contra a Lei das Licitações.
A Polícia Federal investiga indícios de que o governo do Acre, na gestão do petista Binho Marques (2007-2010), teria direcionado edital e inflado preços para beneficiar a Helibras na compra de um helicóptero modelo Esquilo AS 350B2, adquirido em 2008 por R$ 7,9 milhões
Jorge Viana presidia o conselho de administração da Helibras quando o contrato foi negociado com o governo do Acre. O senador é irmão do atual governador Tião Viana (PT).
Para que a PF pudesse aprofundar as investigações, o MPF pediu ao juiz  Jair Facundes, da 3ª Vara Federal, em Rio Branco (AC), a quebra de sigilo de dados e telefone do ex-presidente do conselho de administração da Helibras.
Como Jorge Viana se tornou senador e goza de foro privilegiado, no mês passado o juiz determinou que o pedido da PF e do MPF fosse encaminhado ao STF "com as cautelas de estilo necessárias à preservação de sigilo".
Reportagem da Folha de S. Paulo teve acesso ao laudo técnico em que a PF afirma que o Acre favoreceu a empresa ligada ao senador Jorge Viana. O edital do governo do Acre exigiu a compra de helicóptero com as mesmas características do Esquilo AS 350 B2, da Helibras, o que teria reduzido as chances da TAM, que se inscreveu na concorrência com o modelo Bell 407.
A PF constatou que o Acre pagou mais do que outros Estados pela mesma aeronave. O sobrepreço chegou a 38% na comparação com uma compra do governo do Espírito Santo. Segundo o jornal, a gestão Binho Marques pagou US$ 938 mil (R$ 1,56 milhão) a mais por seu helicóptero.
Além do inquérito da PF, o MPF moveu uma ação civil de restituição de patrimônio público para anular o contrato da Helibra com o Estado do Acre. O valor corrigido, a ser devolvido pela Helibrás, caso a Justiça Federal decida pela anulação do contrato, é de R$ 9,2 milhões.
Na compra do helicóptero foram usados recursos de convênio do governo estadual com o Ministério da Justiça, por meio do Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci).
No ano passado, o piloto e o co-piloto do helicóptero foram afastados temporariamente por causa de fotos em que apareciam no Orkut com duas mulheres numa praia deserta do Rio Acre.
Altino Machado

quinta-feira, 17 de março de 2011

UM NOVO CAMINHO

O jornalismo é um vírus que corre pelas veias do corpo, contamina a alma e nos faz lutar por cidadania, justiça social, proteção e valorização da pessoa humana respeitando à vida. Ser comunicador é um sacerdócio, è dar a vida para uma missão. Assim entendo minha profissão: com paixão  e amor. Lamento apenas que alguns colegas deturpem tanto, os conceitos mais primários disso tudo, e se rendam à jeriquita.
Durante 14 anos exerci o jornalismo com a consciência tranqüila que usei as ferramentas necessárias, para informar, evangelizar e propagar consciência de dias melhores e transformação social. Sofri ameaças, fui amedrontado, humilhado, mas me mantive de cabeça erguida, “sem recuar, sem cair, sem temer”. E nunca levei um processo judicial para casa. Minha única pena, sentença, foi testemunhar que das faculdades saíram jornalistas formados que preferiram silenciar, que dar voz a sociedade.
Iniciei no Vale do Juruá, editando praticamente sozinho um telejornal líder de audiência, que era finalizado em um vídeo cassete (VHS), trocando fitas e usando uma câmera de vídeo M900, como recursos de edição.
Na escola da Rede Amazônica aprendi a fazer o jornalismo cultural, investigativo, político, cidadão e descobri que aquilo era para toda a minha vida.
Ainda trabalhei com colegas na Rádio e TV Integração (Band FM e TV), de Cruzeiro do Sul; produzi um programa para a militância jovem na Pastoral da Juventude Diocesana. Dei minha colaboração para o Canal Futura no Rio de Janeiro (RJ).
Fui o primeiro repórter do Sistema Público de Televisão (TV Aldeia), a enviar noticias do Vale do Juruá para serem veiculadas nos telejornais da capital, e por conseqüência em todo Estado. Colaborei durante alguns dias com o jornalista Washington Aquino da Rádio Difusora, na cidade de Rodrigues Alves, no programa Gente em Debate. Passei ainda pela TV Acre, emissora da Rede Amazônica de TV, afiliada da TV Globo. Fui condecorado com a menção honrosa no prêmio acreano de Jornalismo José Chalub Leite, e deixe de acreditar no evento, por que ficou politizado.
E fui aprendendo em jornais impressos, sites como o Noticias da Hora, Ac 24 horas, Agência Amazônia, trabalhamos para diferentes agências de publicidades e comunicação, entre elas: Hadad, Illa, Wave, Txai, TV1 (São Paulo) entre outros serviços. 
Ao longo dessa história fiz boas amizades, tive excelentes professores e na maior humildade afirmo que continuo a aprender.
No ápice da minha profissão tive momentos emocionantes: denunciei desmandos no exército acreano, Policia Militar do Acre; no poder público, revelei detalhes do crime feito com seres humanos no Juruá, que eram usados como cobaias para pesquisas da malária. Noticia que circulou nos principais jornais do Brasil, Portugal, Bolívia, Espanha. Atuamos como fiscais dos agentes públicos, estimulamos o pensamento critico, formamos opinião, vigiamos os criminosos e pedimos justiça. São muitas as histórias para contar.
Minha trajetória é pequena, gratificante e sofrida, pelas pressões políticas e institucionais que tive que enfrentar. Não vou atribuir nomes, nem culpas. Escrevo aqui sem rancor, raiva e perdoando todos.
O Acre é minha vida, é inspirador, tenho raízes aqui. Mas é chegado o momento de uma nova jornada. O meu desafio é construir história em outro lugar e levar a comunicação na sua essência a quem mais precisa. Sentirei saudade, das pautas, dos telefonemas das fontes, da ansiedade da publicação e da rotina de caça às boas informações, das boas relações pessoais.
Não abandono o Acre para sempre, apenas dou uma pausa, para recomeçar a vida bem ali. Mas estarei sempre perto, na torcida pela nova revolução política e administrativa do meu Estado, carente de eficientes políticas públicas e cansado de demagogia parlamentar e governamental. Encontraremos-nos nas redes sociais, e que os movimentos como Encontro de Twitteiros Culturais no Acre (ETC_Ac), Twittbar, os Twittencontros, e mais eventos sociais possam ser puxados pela galera que usa a internet. Que a solidariedade e o poder de mudança social estejam com vocês!
Agradeço a todos que abriram portas e janelas das redações e, da sua vida para que eu pudesse entrar. Levo o carinho de todos e a certeza que iremos nos encontrar em breve. Já dei minha contribuição para o Acre, os próximos capítulos são com vocês e espero que sejam bem melhores do que os que tentei fazer.
“Se não buscarmos o impossível, acabamos por não realizar o possível", vou me despedindo com essa frase de Leonardo Boff em o 'Despertar da Águia'. Na minha juventude, aprendi a ler o padre espiritano Jorge Boram, ouvir Zé Vicente e fui instigado a olhar o mundo de forma diferente, sem romantismo e assim sigo. Agradeço suas orações, para que minha nova jornada seja de sucesso. Como diz minha chefinha, "estou iniciando um novo jornalismo, desafio, sendo analista de comunicação comunitária". 
Abraços do amigo Costa, para os mais íntimos Neto, e aos demais: Francisco Costa.

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

TIÃO VIANA PODE TER MANDATO CASSADO NO TSE


O Ministério Público Eleitoral entrou com um recurso no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) pedindo a cassação do governador do Acre, Tião Viana (PT), do vice, Carlos Messias, do senador Jorge Viana (PT) e dos suplentes. O motivo seria abuso de poder econômico nas eleições de 2010. 
Segundo a procuradoria, eles teriam cometidos supostos abusos e ilícitos nos meio de comunicação. Há ainda relatos de uso de servidores de empresas privadas que executavam serviços ao Estado, na divulgação e realização de campanhas.
Procuradoria recorre ao TSE contra o governador Tião Viana
Contra os políticos pesa também acusação de conduzir a linha editorial dos periódicos de grande circulação e de canais de rádio e televisão locais, fortalecendo as imagens por meio de matérias jornalísticas positivas, dirigindo críticas aos oponentes.
Ainda de acordo com o MPE, o governo acriano, por meio da empresa de publicidade Companhia de Selva Criação e produções Ltda., destinou publicidade e recursos financeiros a todos os principais jornais efetuando pagamentos por meio de interpostas pessoas jurídicas.
Foi registrada ainda a convocação de servidores do Estado para eventos de campanha, como uma reunião com 1.500 educadores da rede pública de ensino.
Para a procuradoria, "todos os candidatos recorridos foram coautores dos abusos de poder, agindo dolosamente e com domínio funcional dos fatos, usufruindo conscientemente dessas medidas".
De acordo com o artigo 237, do Código Eleitoral, "a interferência do poder econômico e o desvio de poder de autoridade, em desfavor da liberdade do voto, serão coibidos e punidos", sustenta o Ministério Público Eleitoral.
Na avaliação da procuradoria, a cassação é necessária porque a vitória das urnas ocorreu de forma "ilegítima e ilegalmente, com violações flagrantes que levaram ao desequilíbrio da disputa eleitoral no Estado do Acre".
Da Folha On Line

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

DOCUMENTÁRIO BBC - INDIOS ISOLADOS.



As imagens são da BBC britânica e foram produzidas para o programa “Human Planet”e exibidas durante a série "Jungles – People of the Trees". O sertanista José Carlos Meireles, transcreve suas emoções ao sobrevoar a tribo isolada.
A organização não governamental Survival Internacional faz uma campanha na internet pedindo que o presidente do Peru, Alan Garcia, proteja os isolados de madereiros e empresas exploradoras de petróleo. O abaixo assinado circula no site da entidade americana. Assine também a petição, CLIQUE AQUI.
LEIA TAMBÉM, AQUI.

INTERNET AJUDA JOVENS A REALIZAR PROTESTOS NO ACRE

Estudantes preparam grande manifesto contra reajuste da tarifa de ônibus em Rio Branco
Mobilização ocorre na internet usando Twitter, Facebook, Orkut demais redes sociais e comunicadores instantâneos
Assim como manifestações populares a partir das redes sociais no Egito derrubaram o ditador Hosni Mubarak, que comandou o país com mãos de ferro com a família à base de muita corrupção por 30 anos, no Acre jovens também iniciam movimentos populares se articulando utilizando a internet para protestar contra o reajuste da tarifa de ônibus que saltou de R$ 1,90 para 2,40, por determinação do prefeito de Rio Branco, Raimundo Angelim (PT).
Apesar da tarifa já está valendo ativistas sociais, estudantes acreditam que a força popular pode pressionar para que o poder público recue da decisão.
Um grupo de militantes da causa está divulgando pelo Twitter, Facebook, Orkut e difundindo em demais redes sociais e comunicadores da internet uma campanha para que a tarifa dos transportes coletivos seja reduzida.
A revolta popular contra políticas públicas deficientes já mobiliza diversos países. O ponta pé inicial foi na Praça Tahrir, no Egito, que motivando muitos outros espalhados pelo mundo. Entre os locais com revoltas do povo estão: México, Corea do Norte, Líbia, Tunísia, em países árabes como Bahrein, Iêmen e Iraque, além de Alemanha e Argélia, entre outros. A contabilidade das revoltas são dezenas de mortes, feridos e patrimônio público destruído. 
CLIQUE NA FOTO, PARA VER DIA, LOCAL E HORÁRIO DO PROTESTO EM RIO BRANCO, ACRE