sexta-feira, 26 de novembro de 2010

ACUSADO DA MORTE DE TIM LOPES MUDA PARA RONDÔNIA

Ordem de transferência foi do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro
Chegaram ontem (25) em Porto Velho (RO), os 13 presos transferidos de Catanduva, no oeste do Paraná. Entre eles estão, Marcio Santos Neponuceno, o Marcinho VP, Jorge Edson Firmino de Jesus, o My Thor e Elias Pereira da Silva, o Elias Maluco, acusado de matar o jornalista Tim Lopes.
De acordo com informações do Correio Popular, os presos chegaram no início da noite de ontem e foram escoltados até o presídio federal de Segurança Máxima, sob forte esquema de segurança.
Outros oito presos também foram transferidos para Rondônia, todos retirados da área de conflitos do Rio de Janeiro, na tentativa de conter a onda de ataques que aterroriza a cidade.
O Departamento Penitenciário Nacional (Depen) informou que os detentos foram escoltados por agentes federais. Foram transferidos os presos: Cláudio José de Souza Fontarigo; Elias Pereira da Silva, Elias Maluco; Isaias Costa Rodrigues, Isaias da Borel; Leonardo Marques da Silva; Marcio Candido da Silva; Marcio dos Santos Nepomuceno, Marcinho da VP; Marcio José Guimarães; Marco Antonio Pereira Fermino Silva, My Thor; Ricardo Chavez de Castro Lima; Cleber Nunes de Azevedo; Fernandes de Oliveira Reis; Gilmar Luiz Binda e José Antônio Marin.
Elias Maluco - Elias Pereira da Silva, vulgo "Elias Maluco", é tido como um dos maiores traficantes de drogas e armas do Rio de Janeiro e do Brasil. Integrante da facção criminosa Comando Vermelho juntamente com seu sócio mais direto, Luís Fernando da Costa, o "Fernandinho Beira-Mar", Elias Maluco comandava o tráfico nas favelas das imediações de Ramos (Complexo do Alemão) e Penha (Vila Cruzeiro).
A alcunha de "Elias Maluco" vem do fato de que ele já era considerado um bandido cruel e inescrupuloso, conhecido pela frieza e tranquilidade com que seqüestrava e assassinava seus desafetos, especialmente traficantes de favelas rivais. Mas ele ganhou maior notoriedade a 2 de Junho de 2002 e em 2003, ao ser acusado de seqüestrar, torturar e assassinar com requintes de crueldade o jornalista Arcanjo Antonino Lopes do Nascimento, o Tim Lopes, da Rede Globo, que na ocasião fazia reportagens sobre prostituição, abuso sexual de menores e tráfico de drogas nas favelas do complexo da Vila Cruzeiro, bairro da Penha, sendo que na ação o bandido executou pessoalmente o jornalista com uma katana.
Uma verdadeira caçada humana que durou pouco mais que sete meses, a chamada "Operação Sufoco", foi montada e mobilizada por dias e noites incessantemente cercando favelas e invadindo barracos em favelas das proximidades no objetivo de capturar Elias Maluco. Tanto que na manhã de 19 de setembro de 2002 o bandido, encurralado na Favela da Grota, que ele próprio dominava, acabou se rendendo e capturado. É dele, no momento da prisão, a célebre frase "Prende, mas não esculacha!", em referência ao apetite da polícia em prendê-lo. Elias Maluco estava preso no Complexo Prisional Bangu 1 após ter sido transferido do Presídio Ari Franco, no bairro de Agua Santa.
Jairo Carioca – da redação de ac24horas
Com informações do Correio Popular (RO)

Nenhum comentário:

Postar um comentário