sexta-feira, 6 de agosto de 2010

A REVOLUÇÃO ACREANA DE 6 DE AGOSTO

O administrador de uma pequena vila boliviana instalada em Xapuri ainda dormia quando Plácido de Castro entrou no prédio da intendência do local na madrugada do dia 6 de agosto de 1902, data em que a Bolívia e seus moradores comemorariam com festa o dia da independência do país. Na vila não seria diferente.

Sonolento, ao ouvir barulhos e se deparar com um homem na sua frente, o intendente afirma: “É cedo para a festa”, ao que Plácido responde: “Não é festa, mas revolução”. Sem nenhum tiro dado e nenhuma vida perdida, os seringueiros tomaram Xapuri dos bolivianos e novamente foi proclamado o Estado Independente do Acre - a exemplo do que fizera Luiz Galvez três anos antes.

As informações sobre o grande feito de Plácido correu floresta adentro, chegando a outros seringais e instalações bolivianas. Finalmente os seringueiros passaram a confiar no recém-chegado comandante de guerra.

O episódio ficou marcado como a luta símbolo do processo de anexação do Acre ao Brasil. Assim, adotou-se o 6 de agosto como a data oficial da chamada Revolução Acreana. Hoje, o histórico episódio completa exatos 108 anos e, como em todos os aniversários da batalha, foi decretado oficialmente feriado em todo o Estado.

Mas a data é mais simbólica do que efetiva. O historiador Marcus Vinícius explica que “as lutas para tornar o Acre território brasileiro começou antes, com José de Carvalho, Luiz Galvez e com a expedição do poetas. A fase de Plácido é apenas um dos quatro movimentos da revolução e marca o início da última etapa”, explica.

O fato é que a luta para barrar a tentativa de domínio boliviano por estas terras começou em maio de 1899 com o cearense José de Carvalho e finalizou apenas em janeiro de 1903, com Plácido, após a tomada de Puerto Alonso – antiga denominação para o atual município de Porto Acre.

Para Vinícius, ainda assim a batalha ocorrida em 6 de agosto foi uma das mais importantes para a anexação do Acre ao Brasil.

CONTINUE LENDO, AQUI.

Nenhum comentário:

Postar um comentário