segunda-feira, 12 de julho de 2010

ACRE NO MAPA DA VIOLÊNCIA NACIONAL

Acre está entre as capitais com maior número de homicídios no pais

Levantamento do jornal O Globo, do Rio de Janeiro coloca o Acre no ranking das cidades com maior taxa de homicídios por 100 mil habitantes.

Nosso Estado aparece entre as 556 cidades listadas no mapa da violência nacional.

São 32 homicídios por habitantes, estatísticas que se aproximam de São Paulo [SP] (31,1), e, Manaus [AM] (31,5), só perdemos para Fortaleza (CE), (32, 7).

Os acreanos habitam a vigésima segunda cidade mais violenta do país.

Há 3 anos o Acre estava décimo oitavo lugar em número de mortes ocasionadas por homicidios. Naquela época o resultado já era preocupante tendo em vista que somos o vigésimo quarto mais populoso dentre os 27 estados que compõem a Federação. Entre os municipios acreanos, Rio Branco era o mais violento. Era um resultado inesperado porque quase metade da população vive na cidade. Esses dados foram produzidos pela Organização dos Estados Iberoamericanos.

Os números podem até não ser tão representativos, mas quando os crimes surgem chocam pela barbaridade.

Um assalto ousado, para roubar um revólver, teve uma seqüência e um desfecho trágico na madrugada e manhã deste domingo (11). Fuga, perseguição, invasão de duas residências, um homem ferido com seis tiros, uma mulher feita refém durante seis horas e depois assassinada com muitas facadas.

O comando da Policia Militar do Acre, foi derrotado por um assaltante que fez uma vitima faltal e deixou outra hospitalizada em estado grave. Os policiais foram vencidos pelo cansaço do assaltante. A PM não conseguiu negociar e não encontrou uma tática emergencial para resolver o conflito.

A assessora parlamentar e microempresária Ana Eunice Moreira Lima, que completaria 53 anos nesta segunda-feira (12), morreu em sua casa antes de receber assistência, vitima de sete facadas, desferidas friamente por Gleisson Andriola, Carioca, 24. Ele foi condenado por latrocínio e tinha várias passagens pela polícia, estava em regime aberto, desde dois de junho desse ano.

Carioca rendeu Ana Eunice, e tentava negociar a liberdade com o comandante da Policia Militar do Acre, Coronel Romário Célio. O homem que já estava armando e com duas munições, por telefone pediu um avião para fugir com destino a Cruzeiro do Sul e exigiu munição para revolveres calibre 32 e 38 que ele tinha em mãos.

Depois avisou que cometeria uma tragédia, e só se rendeu após sete horas quando entregou a refém com sete facadas pelo corpo.

O comandante da PM, sem sucesso na negociação, só chorou diante do fracasso.

Em um site de relacionamento na internet, Ana se definia com "mulher forte, companheira, amiga, solidária, alegre, bastante de bem com a vida". Dizia que "adorava gente inteligente", e que gostava de ajudar quando podia a quem necessitava. Escreveu ainda sobre suas maiores paixões: "meus filhos, minha netinha, Ana Luzia, meu companheiro, meus bichos maravilhosos e fiéis, alguns amigos leais... e algo mais que porventura venha participar de minha vida e me encante de alguma forma".

A PM do Acre adquiriu recentemente seis Segway (espécie de patinete), que custam mais de R$ 25 mil para patrulhar espaços públicos. O Estado comprou também um helicóptero que terá um custo total de R$ 24 milhões para montar toda estrutura dele para funcionar sem falar do seguro obrigatório de meio milhão de reais. Mas os investimentos em treinamento tático qualificado e recursos humanos tem sido minimo para os policiais.

Somente no primeiro quadrimestre de 2010, o Acre apresentou divida de R$ 1, 4 bilhão, de contratos e empréstimos junto a bancos nacionais e internacionais, e União. Somando os demais anos, nossa inadimplência e supreendente. Dinheiro que não apresentou retorno na qualidade de vida da população.

*Com informações do Noticias da Hora


Nenhum comentário:

Postar um comentário