segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

A VIDA DE JORNALISTAS EM 2009.

Guerras e disputa de eleições são áreas de maior risco para jornalistas. Artigo do Repórteres Sem Fronteiras faz um balanço da violência e opressão aos jornalistas em 2009.

A organização Repórteres Sem Fronteiras, organização que defende a liberdade e segurança profissionais de imprensa, publicou no dia 30 de dezembro um balanço das ações contra jornalistas no mundo todo. O maior destaque ficou com o massacre de 30 profissionais nas Filipinas, que foram assassinados pela milícia privada de um governador da região. Outro fato marcante e sem precedentes foi o número de detenções e condenações de repórteres e blogueiros no Irã, após a contestada reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad.

As guerras e as eleições constituíram a principal ameaça para os profissionais em 2009. Cada vez mais é arriscado cobrir guerras e ter de enfrentar a possibilidade de ser assassinado ou sequestrado. Mas pode vir a ser tão perigoso para fazer seu trabalho como repórter em época de eleição e pode levar diretamente para a prisão ou hospital. No ano passado, violência antes e depois das eleições foram particularmente predominantes nos países sem democracia consolidada. Os 30 jornalistas mortos no massacre da ilha de Mindanao, na Filipinas, estavam cobrindo a tentativa de um adversário do governador local de concorrer como candidato para as eleições regionais em 2010.

O levantamento da entidade revela que cerca de 160 jornalistas de todos os continentes foram obrigados a se exilar para escapar da prisão ou da morte. As autoridades nestes países têm entendido que, empurrando os jornalistas para o exílio, podem reduzir drasticamente o pluralismo de idéias e da quantidade de críticas que atraem. "Esta é uma tendência perigosa e deve ser fortemente condenada", diz o secretário-geral do Repórteres Sem Fronteiras, Jean-François Julliard.

Os números de irregularidades em 2009:

76 jornalistas mortos (60 em 2008)

33 jornalistas seqüestrados

573 jornalistas presos

1456 jornalistas agredidos fisicamente

570 meios de comunicação censurados

157 jornalistas fugiram de seus países de origem

1 blogueiro morreu na prisão

151 blogueiros presos

61 blogueiros agredidos fisicamente

60 países afetados pela censura online

Confira o artigo na íntegra no site da ong RSF

Nenhum comentário:

Postar um comentário