terça-feira, 22 de setembro de 2009

CONTRA ATAQUE DE HILDEBRANDO PASCOAL

Hildebrando denuncia venda de liminares e desvio de dinheiro

O ex-deputado federal Hildebrando Pascoal completa quase duas horas de depoimento. Nesse momento, ele faz sua defesa contra as acusações de compra de voto e de envolvimento com o crime organizado. Apresentando documentos preparados por sua defesa, Hildebrando continua denunciando o desembargador Gercino Silva e o procurador Luiz Francisco.

Afirmando ter apoio de caciques do Congresso Federal, o ex-deputado diz que perdeu seu mandato depois da acusação de Gercino e Luiz Francisco, que lhe acusaram de trocar votos por marmitex. "Depois dessa acusação, perdi o apoio dos caciques que comandam o Congresso Nacional e que iriam me manter na política", disse Hildebrando.

O ex-coronel devolveu no mesmo tom as acusações que lhe foram imputadas: "Gersino vendia liminares e quem quiser a prova basta lembrar o caso do conselheiro do Tribunal de Contas Cristovão Buarque, irmão do vice-governador César Messias, que na época precisou de uma liminar para assumir o cargo que ocupa hoje". E foi mais alem: "Gersino desviava dinheiro do Tribunal de Justiça, quando presidente daquela instituição".

Não há previsão para terminar o discurso de auto defesa do acusado que tem em mäos, um grande volume de documentos lidos detalhadamente para o Conselho de Jurados.

Hildebrando diz que foi vítima de uma armação de Jorge Viana

agora, onde o ex-deputado Hildebrando Pascoal inicia sua auto defesa. O clima é de grande expectativa dentro do Tribunal do Júri. O ex-deputado assegura que a defesa será baseada em fatos e com verdades que para ele, "é compromisso de cidadania".

Hildebrando pediu paciência para que vinganças e interesses pessoais não se sobreponham aos fatos. "Os jornalistas ligados ao ex-governador Jorge Viana não me deram trégua e nem direito de me defender". Para Hildebrando, foi provocado pela mídia local, nacional e internacional, uma campanha que o expôs a opinião pública do Estado e do país, como um bandido.

"Assisti as mentiras mais deslavadas, como se as simples repetições das manchetes tornassem verdadeiras as acusações contra mim e minha família"

Hildebrando disse que não há uma única prova séria, mas um esquema imaginado pelos adversários para lhe desacreditar. Ele disse que tudo foi arquitetado porque ele denunciou as mazelas do Estado. Com relação as provas imputadas e que existem no processo, Hildebrando disse que são denuncias feitas por bandidos.

"Sou preso político por um plano arquitetado pelo desembargador Gercino e o procurador Luiz Francisco e executada com recursos promovidos pelo dinheiro público", lembrou o acusado.

Para ele, nunca se gastou tanto dinheiro público para o Estado lhe investigar. Disse que até 31 de maio de 1999, não existia nenhum inquérito contra ele. Lembrou que existia na Justiça Eleitoral uma acusação forjada pelos juízes de direito do TRE. De posse de um grande volume de processos, Hildebrando segue fazendo a sua auto defesa.

Do Ac 24 horas, por Jairo Carioca, direto do Fórum Barão do Rio Branco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário