quinta-feira, 2 de julho de 2009

CONTRASTE INDÍGENA

Limosines e muito luxo cercam o indigena acreano

Joaquim Yawanawá (Tashka), ostenta glamour: usa tênis importado, coleciona viagens internacionais, tem influências pelo mundo inclusive de artistas e famosos hollywoodianos, acessa com facilidade recursos de diferentes instituições governamentais e não governamentais para seus projetos pessoais, tem entre outras rendas uma grife que leva a marca da sua tribo.

Há quem diga que o índio vive de maneira confortavel em imóveis caros e próprios fora do pais. Em Manhattan (Condado de Nova Iorque nos EUA), teria uma cobertura luxuosa onde passa temporadas com a esposa e os filhos Joaquim não abandonou completamente sua etnia, mas vive no conforto do homem branco onde tem trânsito livre e muitas proteções.

Porém, pouca dessas regalias que o indigena possui e consegue com facilidade são revertidos em beneficio de seu povo.

Algumas aldeias do povo Yawanawá, como demais terras indígenas do Acre, vivem na mais completa miséria e abandono.

Há carência de postos de saúde, escolas para ensinar a lingua mãe, os indios sofrem com extração ilegal de madeira, invasão de terras, não possuem programas de valorização da cultura e segurança alimentar. Existem ainda dificuldades para proteção do conhecimento tradicional e genético, sofrem com a biopirataria e há violação dos direitos humanos, sem falar da exploração sexual que inclusive meninas índias são submetidas. Existem ainda relatos de que muitos índios negociaram favores pelo silêncio e apoio ao Assessor Especial dos Povos Indigenas do Acre, Francisco Pianko, acusado de violentar indias menores de idade, até sangrarem.

Os indigenas estão sendo dizimados pelas doenças do branco: hepatites, aids, tuberculose, entre outras e, tentam sobreviver as influências devastadoras da civilização moderna (tráfico de drogas, dependência quimica).

Na Casa de Passagem dos Indios (CASAI), falta atendimento médico, remédios, itens de limpeza e higiene acompanhamento dos doentes. A Funasa que deveria repassar recursos paras as aldeias está atolada em escândalos de corrupção na Corregedoria Geral da União. O governo do Acre, prometeu investir somente nesta gestão R$ 22 milhões nas politicas índigenas, mas ainda não se viu resultados.

Para participar de eventos onde se discute a melhoria da qualidade de vida das aldeias, os índios são obrigados a passar fome, dormir nas ruas e são tratados como bandidos pela policia e os moradores. Foi assim, recentemente em Brasília.

Veja mais fotos na página de Joaquim na internet, clique aqui e acesse.

Joaquim por email, responde que não possui imóveis fora do pais, que houve equivocos na apuracão do blog, que não usa a imagem de sua tribo para obter favores pessoais, que não existem conflitos a não ser problemas culturais nas aldeias de sua etnia, e que o blog está tentando lhe ligar a crimes de pedofilia que um indigena está envolvido.

"
Para seu conhecimento, a Terra Indígena do Rio Gregório, onde vive o povo Yawanawa, nós não temos problemas com extração ilegal de Madeira. Temos um programa de valorização cultural", descreve o índio em nota, e ainda foi grosseiro e ameaçador com este humilde blogueiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário