sexta-feira, 29 de maio de 2009

TRE DO ACRE AINDA NÃO DECIDIU SOBRE PREFEITO ACUSADO DE COMPRA DE VOTO


Paulinho (foto) vira o jogo no TRE e pedido de vistas do processo mantém prefeito no cargo

Bastou a pressão exercida nos últimos dias pelas principais lideranças da Frente Popular do Acre (FPA) para a situação do prefeito da cidade de Plácido de Castro, Paulo de Almeida (PT), que era crítica, se ransformar em confortável, no Tribunal Regional Eleitoral. Na última quarta-feira (20), o TRE/AC iniciou o julgamento do recurso eleitoral que pode acarretar na cassação do prefeito eleito de Plácido de Castro, Paulinho Almeida, por compra de votos. Naquele diz a juíza Denise Bonfim não teve dúvidas em sugerir a perda do mandato do prefeito acusado.

Segundo a autora da ação, Coligação 100% Popular, que tinha como candidato a prefeito o Dr. Roney (PMN), segundo colocado nas eleições de 2008, Paulinho Almeida teria doado cestas básicas, camisetas, uma caixa d’água e dinheiro a eleitores em troca de votos. Os advogados de defesa, Odilardo Marques, e de acusação, Ruy Duarte, fizeram sua defesa. Mas o Procurador Regional Eleitoral, Paulo Henrique Brito, opinou pela cassação do prefeito, dizendo que as provas constantes do processo são suficientes para a perda do mandato.

Na mesma sessão a juiza Denise Bonfim, relatora do processo, manifestou-se pelo afastamento de Paulinho Almeida e, consequentemente, da vice-prefeita Francinéia Melo da Silva. A relatora explicou que as testemunhas foram enfáticas ao afirmar que foram procuradas por pessoas ligadas ao Prefeito de Plácido de Castro, com o objetivo de conseguir seus votos em troca de caixas d’água, dinheiro e até promessas de emprego. “Não resta dúvida de que há provas suficientes nos autos que confirmam a prática de crime eleitoral”, disse a magistrada. O julgamento foi suspenso em razão do pedido de vista do juiz Jair Facundes.

O Tribunal Regional Eleitoral do Acre, retomou o julgamento de Paulinho nesta sexta-feira, 29. Novamente o julgamento não foi concluído, tendo em vista que a desembargadora Eva Evangelista, foi quem pediu vistas no processo desta vez. Mas votaram pela cassação do petista as juízas Denise Bonfim e Maria da Penha. Os juizes Jair Facundes, Mauricio Haweinberg e Ivan Cordeiro, declararam voto favorável ao prefeito e decidiram pela inocência do prefeito.

A expectativa agora do presidente do TRE desembargador Arquilau de Castro é de que o processo seja finalmente concluído na sessão da próxima terça-feira, 02 de junho.

O prefeito de Plácido de Castro foi eleito com 4.361 votos (47%), enquanto o segundo colocado, Doutor Roney (PMN), obteve 4.289 votos (46,22%). Um diferença de apenas 72 votos a favor do candidato eleito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário