domingo, 3 de maio de 2009

FESTA DO DESEMPREGADO


Com música e distribuição de prêmios os organizadores tentaram fazer uma reflexão sobre a ausência de políticas públicas no Dia do Trabalhador, na Baixada da Sobral.

O 1° de maio, Dia do Trabalhador, foi comemorado com festa e protesto nas cinco bocas, região formada pelos bairros João Eduardo, Sobral, Bahia, Palheiral, Aeroporto Velho em Rio Branco. Mais de 20 voluntários e cerca de 10 entidades sociais que formam o Movimento Contra o Desemprego, organizaram a “Festa do Desempregado”. Apresentações de bandas locais, grupos de dança e distribuições de prêmios marcaram o evento que foi realizado na noite desta sexta-feira 01.

Mais de 20 mil convites foram distribuídos à população. A região da Baixada da Sobral foi escolhida estrategicamente para o ato show. De acordo com os organizadores mais de 80% dos moradores, cerca de 20 mil jovens estão desempregados nesses bairros. “O desemprego proporciona a desestruturação da família, o tráfico de drogas, a violência e as agressões físicas e até mortes. Isso reflete na vida das pessoas. Entendemos que o Dia do Trabalhador conquistado como muito esforço, ainda deve ser símbolo de luta até hoje pelo desemprego, baixos salários, exclusão social. Eu mesmo já sofri agressões da policia, já tive preso fazendo greve, fazendo piquete. Isso as pessoas não devem esquecer”. Explica o professor de história Fortunato Filho, um dos promotores do evento.

A festa do desempregado foi pensando há quase um mês pelos moradores como forma de chamar atenção da comunidade para refletir sobre a ausência de políticas públicas. “Aqui os governos não estão presentes com obras sociais, não articulam a população para a geração de emprego, não existem instituições públicas na comunidade. A baixada não é uma região violenta, ela é violentada, vulnerável pela ausência do poder público”. Comenta Fortunato.

O Movimento Contra o Desemprego do Acre, misturou entretenimento com política para fazer as pessoas pensarem sobre sua condição social. “O salário que eu ganho é justo, quem toma posse da riqueza que eu estou produzindo, se eu não estou produzindo quem estar ficando com a riqueza que vem para este estado e o município? É isso que nós queremos refletir nesse dia, queremos deixar essa mensagem para a população pensar sobre sua condição como cidadão e trabalhador”. Finaliza Fortunato Filho.

O evento teve a mãozinha também de lideranças políticas que compõem o bloco de oposição ao Governo do Estado e a Prefeitura de Rio Branco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário