quarta-feira, 6 de maio de 2009

ENFERMEIROS VESTIRÃO PRETO EM PROTESTO POR MELHORES CONDIÇÕES DE SALÁRIO E TRABALHO



A categoria ficará de luto durante 24 em protesto pela falta de políticas públicas eficientes para a enfermagem


O “protesto negro” ocorrerá na próxima terça-feira, 12. Durante 24 horas, auxiliares, técnicos e enfermeiros vão trabalhar em postos, hospitais e unidades de saúde vestindo roupa preta em substituição ao convencional uniforme branco. A categoria vai reclamar melhores condições de trabalho e salário. No estado o movimento deverá ganhar adesão de 4.500 profissionais. A mobilização será feito pelo Conselho Regional de Enfermagem do Acre (COREN/AC).

“O objetivo é conscientizar as pessoas de que a enfermagem existe, que faz parte do contexto. Vestindo preto, vamos nos destacar dos outros profissionais dentro das unidades hospitalares. Assim a população vai perceber que existe um número muito grande de enfermeiros que estão cuidando dela. Vamos mostrar a força política que a enfermagem tem tanto a nível de governo como de sociedade”. Afirma Jebson Medeiros, 30, (FOTO) presidente do Conselho Regional de Enfermagem do Acre.

“Queremos estabelecer uma jornada de trabalho de 30 h, semanais para todos os profissionais, criação de uma lei para instituir o quadro técnico de enfermeiros no estado, estabelecer um piso salarial com base na proposta nacional de R$ 1,200”. Explica o presidente do COREN/AC.

A briga pela redução da jornada de trabalho dos enfermeiros, ganhou apoio do Senador e do Congresso e depende apenas da sanção presidencial. 1, 5 milhão profissionais de enfermagem depende desse projeto lei.

De acordo com Jebson Medeiros, enfermeiros que trabalham no Hospital Regional do Vale do Juruá em Cruzeiro do Sul, estão ameaçando pedir demissão em massa. A categoria tem jornada longa de trabalho, estão sem alimentação e tiveram redução de salário, no total são cerca de 200 servidores.

Conselho de Enfermagem do Acre, já entrou com ação na Justiça Federal em 2005 contra o estado reivindicando melhores condições de salário e trabalho. Segundo o enfermeiro Jebson Medeiros, a saúde do estado ainda não alertou para o risco de infecção hospitalar na rede pública, usando equipamentos de esterilização ultrapassados. “Estufa não é adequado para esterilização e o estado ainda usa esse equipamento tnas unidades de saúde, hoje usa-se autoclave que é bem mais eficiente no combate de bactérias”, afirma Jebson.

O protesto será lançado próxima terça-feira, na abertura da Semana de Enfermagem em Rio Branco.

Nenhum comentário:

Postar um comentário