quinta-feira, 28 de maio de 2009

AOS MOLDES DA CENSURA NO REGIME MILITAR

Um aviso fixado no quadro de avisos do Comando Geral da Polícia Militar do Acre (PMAC) informa que, qualquer material publicado no local deve passar pelo visto do Comandante Geral, Cel Romário Célio, ou do Sub Comandante, Cel Jeremias Ramalho. O aviso foi assinado pelo Sub Comandante e reproduz uma determinação do Comandante Geral.

A determinação, foi motivada porque um oficial colocou uma nota de repúdio ao sistema de promoções de oficiais da PMAC no quadro de avisos. O referido policial alega que foi prejudicado pelo critério de promoção merecimento, em outras palavras, ele teria sido vítima de uma “cangalha”, termo usado na gíria policial quando uma pessoa deixa de ser promovida porque outro tomou o seu lugar através de apadrinhamento.

O documento, automaticamente, remete aos tempos tenebrosos da ditadura militar, quando o regime militar instalou a Divisão de Censura e Diversões Públicas da Policia Federal, responsável por censurar qualquer material que desagradasse o governo. Dessa forma, publicações que contivessem qualquer assunto contrário ao governo eram censuradas.

Na Policia Militar do Acre, ao que parece, instalou-se um sistema semelhante ao dos “anos de chumbo”, como ficou conhecido o período mais repressivo da ditadura militar. Pois, o Comandante e o Sub Comandante ficarão responsáveis por selecionar o que pode (ou não) ser exposto para os policiais no mural do quartel. Portanto, materiais considerados subversivos a hierarquia e a disciplina, de acordo com o crivo dos coronéis, serão impedidos de chegar ao conhecimento da tropa através do mural.

Veja mais no blog do Ricardo Bessa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário