domingo, 30 de novembro de 2008

Pérolas do jornalismo

UMA DENUNCIA ANONIMA LEVOU POLICIAIS DA CEATRAN AO RAMAL BEIRA RIO NA ESTRADA DA TRANSACREANA AO CHEGAR LA FOI ENCONTRADO DENTRO DO MATO UMA MOTO BROS DE COR PRETA 150 DE PLACA MZW 3585.


APOS OS POLICIAIS FAZEREM UMA PESQUISA FOI CONSTATADO QUE A MOTO FOI FURTADA NA MADRUGADA DESTA TERÇA-FEIRA 29/01/2008 POR VOLTA DAS 4:00HS DA MADRUGADA DE UMA CASA LÁ NO CONJUNTO UNIVERSITARIO SEGUNDO OS POLICIAIS DA CEATRAN O RAMAL ESTARIA SENDO USADO PARA FUGAS JÁ QUE O MESMO SAI NA BEIRA DO RIO ACRELA OS BANDIDOS PODEM ESTAR ATRAVESSANDO AS MOTOS DE BARCOS PARA O OUTRO LADO QUE SAI NA AC 40, OU SEGUNDO ELES A MOTO SERIA DESMANÇADA NO LOCAL MESMO A MOTO FOI LEVADA PARA O TERCEIRO DP QUE FICA NO BAIRRO ESTAÇAO ESPERIMENTAL PARA SER DEVOVIDA AO SEU DONO .


As proezas do RD NOTICIAS veja no o blog Ambiente Acreano.

Paul Maccartney homenageia Chico Mendes

A nova cara do TRT-AC/RO

# Buscar celeridade nas execuções é uma das principais preocupações do Judiciário. Na verdade, tanto nas varas como no Tribunal, os processos correm rápido. Somos o segundo Tribunal mais rápido do país. O nosso grande calcanhar de Aquiles chama-se execuções. Agora, o tribunal tem a orientação de fazer conciliação nos processos de execução, e ainda temos o Projeto Conciliar é Legal, que vai dar mais celeridade às execuções. Nós temos várias audiências designadas somente para fazer acordos. E um dos caminhos, sem dúvida, é a conciliação. Esse projeto já existe há algum tempo em vários tribunais, inclusive, no Acre.


# Nós temos conhecimento de que alguns empresários costumam tachar a Justiça do Trabalho de paternalista, mas a legislação tem uma tendência de igualar os desiguais. A diferença entre o capital e o trabalho é muito grande. Assim como o Código do Consumidor tenta aproximar o cliente do industrial, a CLT tenta aproximar o empregado do empregador. Por isso, essa visão paternalista não é tão verdadeira como dizem. Temos uma ação chamada Justiça do Trabalho na Empresa, que visa conscientizar o empresário de que nós não existimos para prejudicá-lo, pois a sociedade precisa tanto do capital como do trabalho.


# O trabalhador, na verdade, precisa ainda ser mais bem orientado em seus direitos. Sem orientação, ele perde suas ações. Da mesma, o empresário carece de saber que a Justiça não é sua algoz, mas intermediária entre ele e o empregado. Se isso for compreendido - o que esperamos que seja -, será rompido esse paradigma que a Justiça protege esse ou aquele.


# Nós temos ações que resultaram em multa, por litígio de má-fé para o empregado, e isso não é uma raridade. Daí que esse rótulo protecionista e condescendente com o mais fraco é apenas rótulo. O empresário já está consciente de que tem prazo para pagamentos e que deve guardar seus comprovantes que anularão qualquer intento ilegal do empregado. O juiz some nte julga perante prova, por isso a importância dos documentos.


# O Projeto Justiça do Trabalho na Escola orienta os alunos sobre os seus direitos, explica o que é a nossa Justiça, qual o nosso papel, quem somos e para que nós existimos. Também procuramos despertar vocações e pedimos aos estudantes multiplicar essas informações, repassando-as a outras pessoas. Esse projeto, aliás, tem mão-dupla: os alunos vêm conhecer a Justiça do Trabalho, como funcionamos em nossas instalações. Fazemos esse trabalho educacional, que é muito importante, pois eles ingressarão no mercado de trabalho.


# Não há cumplicidade entre os Poderes. Os precatórios são um grande problema para o Judiciário quando do outro lado se encontra o ente publico. Tentando resolver essa questão, foi criado um juizado para fazer acordos em relação aos precatórios, a exemplo do que já aconteceu em Minas Gerais. E, em alguns municípios de Rondônia, a prefeitura deposita mensalmente uma quantia destinada a pagamentos em ordem cronológica. Então, esse juizado é um dos caminhos para resolver essa questão dos precatórios. Vários municípios do Acre fazem parte desse convênio. Também não descartamos a disposição de sentar à mesa com prefeitos e governadores.


# Colocar mais juízes e mais servidores não é o único caminho para dar mais efetividade ao trabalho da Justiça, até porque o orçamento não comporta essa solução única. Essa solução clássica carece de alternativas mais criativas e não é por outra coisa que dividimos o número de servidores em cada vara conforme o número de processos. Temos, por exemplo, 12 servidores por vara, como é o caso de Rio Branco. Essa orientação, inclusive, tem sido dada pelo próprio CNJ. O tribunal tem um planejamento estratégico e deve fazer um realinhamento dessa questão.


# Acho uma reivindicação muito justa do Estado do Acre querer ter o seu tribunal, acho mesmo que cada Estado deve ser o seu tribunal. Apenas Acre, Roraima e Tocantins ainda não possuem os seus respectivos tribunais. No ano passado, intensificou-se uma campanha nesse sentido, é até uma bandeira do senador Tião Viana. Outros políticos, associações e sindicatos também fazem esse apelo. Isso, entretanto, ainda não foi deferido pelo Conselho Superior da Justiça do Trabalho para esses três Estados. O que nós temos feito é que os processos do Acre sejam julgados no Acre. Agora, como acreana, e para ser coerente com algo que eu já defendi antes, acho que o Acre deve ter sim o seu tribunal.


# Um grande desafio que nós vamos enfrentar na gestão se descortina aqui, em Rondônia, com a questão das usinas. Vamos lidar nos próximos dois anos com cerca de 75 mil novos empregos de forma direta e indireta. Isso, sem duvida, vai repercutir na Justiça do Trabalho. Nesse sentido, todos os juízes do tribunal estão preocupados com essa situação. E nós temos que nos preparar muito antes para receber toda essa carga de trabalho e, por causa disso, estamos instalando duas novas varas em Porto Velho.


# Outra preocupação nossa é com a questão da humanização da Justiça, tanto interno quanto externamente. Precisamos ouvir mais a sociedade e precisamos ouvir mais os juízes e servidores em decisões que vão trazer grandes impactos para a instituição. Nossas caravanas levam a Justiça onde o povo está, e isso foi um avanço extraordinário. O processo de interiorização também é de fundamental importância.


# Essa idéia da vara itinerante surgiu de baixo para cima, ou seja, juízes e servidores se dispuseram a levar a Justiça em pontos longínquos para facilitar o acesso à população carente dos rincões amazônicos. Fomos a um município que não tinha estrutura para acomodar nossa atividade, então os servidores pegaram um ônibus antigo, que foi doado pelo TST, e adaptaram como um gabinete de atendimento. Nós também tivemos juízes que foram pioneiros nesse trabalho. Até uma ambulância foi adaptada para esse trabalho itinerante. Esse esforço é magnífico. Esse trabalho hoje ocorre com a divulgação, a tomada de reclamação e com as audiências, ou seja, em três ciclos. Atuamos de Vilhena a Cruzeiro do Sul.


# Nós vamos trabalhar ouvindo os juízes e os servidores para melhor servir a sociedade. E a sociedade precisa do trabalhador assim como precisa do empresário. Como diz o poeta Mario Quintana: o homem nasce com uma asa só, para que possa voar, precisa se abraçar. E, no tribunal, nós precisamos de todos, precisamos nos abraçar para voar rumo à bela função de justiça social.


* Opinião de Maria Cesarineide de Souza Lima que tomará posse no dia 16 de dezembro, às 19 horas, no Teatro Plácido de Castro, como presidenta e corregedora do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região, que engloba os Estados de Rondônia e Acre.


LEIA MAIS, AQUI.

sábado, 29 de novembro de 2008

Brasiléia: saúde de primeiro mundo

Novamente, o hospital Raimundo Chaar, localizado na cidade de Brasiléia (Acre), que atende quatro cidades da região do Alto Acre, vem mostrando um quadro pra lá de negligente no que se refere ao atendimento da população.


Além de problemas estruturais e administrativos, pode-se dizer que, parece mais um grande posto de saúde do que mesmo um hospital.


Rachaduras são vistas pelo prédio que foi erguido há mais de 50 anos. É comum pelas salas que já foram reformadas, infiltrações de água em dia de chuva.


Sem falar que, o prédio está há menos de cinco metros do barranco do rio que a cada ano que passa, aproxima-se do pátio onde ficam estacionados às ambulâncias e carros particulares.


Nos último meses, denúncias aumentaram por parte da população. Foi constatado que o hospital tem uma defasagem de profissionais essenciais que permaneçam na instituição, já que atende quatro cidades. Obstetra, pediatra, cirurgião e anestesista, fazem uma cansativa jornada de 15 dias trabalhando.


Veja também:

Após parto mal realizado, família procura justiça para filho que nasceu com seqüelas irreversíveis.


PRESSIONE AQUI E LEIA REPORTAGEM COMPLETA.

Los Porongas na TV Cultura

A banda acreana Los Porongas tocou nesta quinta feira no programa Ao Ponto, da TV Cultura, apresentado por Jairo Bouer.

Ao Ponto é um programa que propõe boas conversas sobre os mais variados assuntos. Jairo Bouer discute com a platéia essas e outras questões, desvendando mitos, quebrando tabus e compartilhando experiências.

A atração, que nasceu no Canal Futura e agora é produzida em parceria com a TV Cultura, também tem outras novidades. O novo Ao Ponto traz informações sobre profissões, som de bandas independentes e o que acontece de mais legal no mundo e na internet.

Esta edição do ao Ponto teve como tema a morte. Os Los Porongas participaram respondendo várias perguntas e tocando duas músicas, Lego de Palavras e Suspeito de Si, ambas do primeiro disco da banda, lançado em 2007.

PRESSIONE AQUI E VEJA O VIDEO CLIP.

José Saramago: 'Bíblia é um "desastre", cheia de "maus conselhos'

Polícia Federal indicia cafetão

Ivan (ou Pepsi) montou site para divulgar programas sexuais. A PF o indiciou por rufianismo e falsidade ideológica.

Um ano antes de a Polícia Federal indiciar do cafetão responsável pelo blog Agência de Programas Acreana, destinado a anunciar e negociar garotas de programas do Acre pela internet, o repórter Marcos Venícios, do site Notícias da Hora, fez os primeiros contatos com Ivan, o agenciador. Por telefone, ele detalhou o funcionamento do esquema de prostituição na internet.


O site para o qual Venícios trabalha publicou várias reportagens sobre o assunto. Enquanto isso, o jovem e habilidoso repórter, tenta gravar uma entrevista com o agenciador. Foram vários dias de negociações e, finalmente, Ivan decidiu falar. Pepsi, como o agenciador também é conhecido, gravou uma entrevista de três horas de duração. Mas, com medo de represálias, não se deixou fotografar.

Sem cerimônia, Ivan confessou durante a entrevista ser o chefe de uma das maiores redes de prostituição do Acre. A rede, segundo ele, teria inclusive ramificações internacionais. Ivan também revelou o perfil de seus clientes e a maneira como as meninas eram selecionadas. Contou, por exemplo, que usava a internet (blogs e comunidades do Orkut) para divulgar seu trabalho, a qual classificou de “cooperativa do sexo fácil”.


Além de detalhar seu “negócio”, Ivan (ou Pepsi) revelou seus planos: pretendia fazer uma grande empresa, com opções de disk-sexo, encontro de casais, entre outros. Ousado, o agenciador fez um desabafo desafiador: disse não ter medo de ser preso nem acreditar na Justiça. E um dado curioso. Apesar das ameaças das ameaças das autoridades, as páginas criadas por Ivan para comercializar garotas do Acre continuam no ar. A seguir, os principais trechos da entrevista com Ivan (ou Pepsi):


Como surgiu a idéia de criar uma agência de garotas de programa?

Agenciador: A falta de dinheiro, incentivo do governo, a gente era um grupo de amigos que se reuniu e decidimos fazer aqui no estado, na cidade. Hoje chamamos de cooperativa, são oito homens e doze mulheres. Começou apenas com três meninas e dois rapazes, há dois anos. Aqui é escasso de trabalho, qualquer serviço que contratam o dinheiro é pouco e precisamos de grana para pagar o apartamento, faculdade. Resolvemos fazer alguns programas. Depois começamos a ver que o programa dava mais que o dinheiro do salário do mês. Foi quando deixamos de trabalhar e passamos a fazer só os programas. O nosso negócio iniciou atendendo a donos de hotéis que recebiam turistas que já chegavam procurando garotas de programa, até hoje ainda fazem isso.


Quanto você ganhava no seu emprego por mês?

Agenciador: Quinhentos reais.


Quanto que chega a ganhar no máximo hoje fazendo programa?

Agenciador: Quatro mil reais por mês, com uma cliente só. Já ganhei mil e quinhentos reais em um único dia.


Como é feita a seleção das garotas?

Agenciador: Tem que ser indicado por alguém, não caçamos meninas por ai. Se for bonita e honesta, tiver uma boa índole, se tiver como confiar na pessoa colocamos na nossa equipe. Hoje mandamos meninas para Europa e até muitos outros países. Mas elas vão por conta própria: tem uma mulher é um casal fora do Brasil para receber as garotas. Lá elas são bem tratadas, não são escravas do sexo e todas vivem bem. São meninas que se considerem felizes. Tudo isso é muito sigiloso.


Tem menores de idade entre as meninas fazendo programa?

Agenciador: Olha, se alguém acha que tem menor é só pedir os documentos delas, identidade. Tem meninas que pagam faculdade, apartamento, sustentam os filhos e a família com esse dinheiro; já compraram casa para a mãe ou o pai. Elas fazem isso por que elas querem. Ninguém explora sexualmente ninguém, cada uma fica com seu dinheiro e ajudam a manter o blog. O conselho tutelar já foi lá em casa e viu que todas eram maiores de idade e não estavam sendo obrigadas a nada. Eles conversaram com cada uma das meninas.


Como é essa história de ajudar manter o blog, o que as suas meninas precisam fazer?

Agenciador: A gente coloca as fotos delas no blog, divulga, mais para isso elas devem ficar bonitas tem que fazer cabelo, comprar roupas, calçados e se alimentar bem, fazer bronzeamento artificial. Ninguém paga pra trabalhar, elas ajudam a manter o blog assim. Quando é uma menina nova, que não tem dinheiro, os mais antigos têm que ajudar, dar a mão para quem está chegando. Usamos o blog e o orkut para divulgar as garotas, a internet deu uma explosão para nosso trabalho. Também gastamos com o laboratório: fazemos com freqüência exames para ver o lance das doenças. Tomamos muitos cuidados e recomendamos uso da camisinha nas transas.


Qual o valor de um programa, todos os clientes aceitam e pagam?

Agenciador: Algumas meninas gostam de cobrar mais caro, não gosta de sair com clientes que pagam pouco. Tem umas quatro que cobram mil reais por todo fim de semana, têm outras que cobram mil e oitocentos reais como acompanhante. Quem procura a gente, são esposas de juízes, advogados, políticos, empresários e até pessoas que não tem emprego, autônomos. A menina mais velha tem vinte e sete anos, todas elas estudam. Alguns rapazes não estudam, tem oito garotos comigo. As mulheres casadas são que mais procuram os garotos para fazer programa. Algumas meninas estão sendo selecionadas e nem todas são pobres. Estamos pensamos em criar uma linha telefônica, 0800, e vamos realizar uma festa swing, encontros de sexo com casais sigiloso. Queremos espalhar outdoors pela cidade fazendo o convite. Os ingressos custarão cerca de 700 reais por casal. Até uma produtora de filmes pornô já me procurou para fazer um filme, mais o dinheiro que eles oferecem é pouco.


Você considera a prostituição um crime?

Agenciador: Eu não estou matando nem roubando, não estou explorando ninguém, mantenho minha família, mantenho minha posição social. Eu acho que isso não é crime, crime e destruir famílias. Eu nunca ouvi falar que alguém foi preso por isso. Quem procura a gente é quem tem dinheiro. Desde que o mundo existe tem prostituição.


Se as policias baterem na sua porta, como vai ser?

Agenciador: Nos não temos medo. Se alguém procurar a gente no caso da policia federal, por exemplo, vamos sentar e conversar. Isso não é crime. Crime é o que os poderosos fazem com gente. Aqui no Acre eu sei que existe justiça, não acho injustiça o que estamos fazendo.


Você acredita que todos inclusive você vão conseguir viver bem sempre vendendo o corpo?

Agenciador: A minha visão e estudar, quando terminar meu curso na faculdade não vou ser tão novo, tão procurado. Não vou ficar fazendo isso à vida toda. Quero um dia sair quando tiver um bom emprego para sustentar minha família. Eu não gostaria de fazer o que faço. Quase todo dia a gente se arrepende dos programas, eu mesmo já deixei uma pessoa sozinha não peguei o dinheiro e sumi. Não sou uma máquina de fazer sexo. Tem histórias de meninas que quase sofreram agressões, por que tinham passado do horário combinado com os clientes e elas queriam estudar, mas resolvemos tudo na hora, depois que elas me chamaram. Hoje já temos homens que fazem a segurança de nossas garotas se for preciso. (sic).


PF combate prostituição na internet – Nesta quinta feira, 27, A Polícia Federal do Acre indiciou F.P.L., mototaxista, de 23 anos, vulgo “Ivan”, criador do site “Agência de Programas Acreana”, que alcançou grande repercussão no estado no ano de 2007. F.P.L. admitiu ter criado o site na Internet sob inspiração do site Acretinos que divulgou fotos íntimas de diversas mulheres acreanas. No site criado por “Ivan” estavam expostas imagens de diversas mulheres em poses sensuais além da divulgação do seu telefone para contato. Segundo depoimento do próprio “Ivan”, as fotos das garotas não eram as mesmas que ele agenciava, haja vista que ele copiava estas fotos na Internet para colocar no seu site. “Ivan” intermediava através de seu telefone celular divulgado no site, encontros entre garotas de programa e seus clientes, ocasiões em que, por ser mototaxista, as transportava pessoalmente em sua motocicleta até o local combinado com seu cliente.


Durante as investigações o site mudou de endereço várias vezes, porém estava sendo monitorado pela Policia Federal, que conseguiu identificar que um dos blogs criados por “Ivan” utilizava-se de nome de uma pessoa que não existe, fato confirmado por ele. Uma das garotas de programa, M.I.M., 23 anos, ouvida pela PF confirmou os fatos.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

"Santa Catarina - urgente"

Doações em dinheiro aos flagelados pelas chuvas em SC superam os R$ 3 milhões.


As contas bancárias abertas para receberem doações para os flagelados pelas chuvas em Santa Catarina em nome do Fundo Estadual de Defesa Civil registravam na manhã desta sexta-feira (28) um saldo de R$ 3.553.424,00. Deste total, R$ 800 mil foram doados pelo Banco do Brasil (R$ 500 mil) e pelo Bradesco (R$ 300 mil). O restante é de pessoas físicas e jurídicas.


No extrato relacionado abaixo, no saldo da conta do BB deve ser acrescido o valor doado pela própria instituição financeira.


Banco do Brasil - R$ 1.830.565,45

Bradesco - R$ 504.182,00

Itaú - R$ 57.043,80

BESC - R$ 104.661,96

CEF - R$ 56.145,00

Sicoob/SC - R$ 825,00

Sicred - R$ 0,00


Cuidado com falsas mensagens

A Defesa Civil de Santa Catarina alerta a população que deseja colaborar com os atingidos pelas enchentes para tomarem cuidado com falsas mensagens de ajuda, enviadas por e-mail, divulgando números de contas bancárias para depósitos de doações em dinheiro. De acordo com os técnicos da Defesa Civil catarinense, o órgão não envia mensagens eletrônicas com pedidos de auxílio aos desabrigados.


É a seguinte a relação das contas para doações:

Banco/SICOOB SC - 756 - Agência 1005, Conta Corrente 2008-7

Caixa Econômica Federal - Agência 1877, operação 006, conta 80.000-8

Banco do Brasil – Agência 3582-3, Conta Corrente 80.000-7

Besc – Agência 068-0, Conta Corrente 80.000-0

Bradesco S/A - 237 Agência 0348-4, Conta Corrente 160.000-1

Itaú S/A - 341, Agência 0289, Conta Corrência 69971-2

SICREDI - 748, Agência 2603, Conta Corrente 3500-9

SANTANDER - 033, Agência 1227, Conta Corrente 430000052


*SANTA CATARINA URGENTE – AJUDE: 0800 48 20 20.

PF combate imigrantes ilegais no Acre


Policia Federal do Acre inicia Operação “Blade Runner”. Quatro cidades e 64 hotéis foram vistoriados.


A Polícia Federal do Acre está de olho no tráfico de seres humanos e na ação de imigrantes ilegais que formam o esquema de tráfico do drogas e prostituição, inclusive de menores principalmente na região de fronteira.


A delegacia da Superintendência da PF/AC deu inicio esta semana na Operação “Blade Runner” que trata de ação permanente de fiscalização em hotéis e estrangeiros nos principais municípios que integram a circunscrição da Superintendência Regional em Rio Branco.Um dos principais objetivos da Operação Blade Runner é criar um banco de dados eletrônico que possibilite a consulta de informações relativas ao tráfego de brasileiros e estrangeiros pelas principais cidades da região. De posse deste banco de dados será possível fazer o cruzamento de informações como nome do hóspede, data de nascimento, período de hospedagem, nacionalidade entre outros.


A primeira fase consistiu em fazer um cadastramento dos estabelecimentos hoteleiros dos municípios, identificando a quantidade de hotéis e de apartamentos em cada uma das localidades.


Os resultados obtidos foram os seguintes:

Rio Branco/AC – 31 hotéis – 1.006 quartos/aptos

Sena Madureira/AC – 10 hotéis – 127 quartos/aptos

Plácido de Castro/AC – 05 hotéis – 85 quartos/aptos

Acrelândia/AC – 05 hotéis – 47 quartos/aptos

Boca do Acre/AM – 13 hotéis – 141 quartos/aptos


TOTAL: quatro cidades visitadas, 64 hotéis vistoriados.


Com esta rede de informações construída em conjunto com os hotéis, já possibilitou diversas autuações de estrangeiros irregulares. Na última quinta feira, 20, cumprindo Mandado de Prisão expedido pela justiça de Rondônia, agentes localizaram o camaronês S.M.N.A operação, que tem caráter permanente, será expandida posteriormente para os demais municípios do estado do Acre.


Em setembro de 2007, 15 haitianos foram localizados e presos em um hotel no segundo distrito da cidade, os homens estavam acompanhados de três crianças, todos foram repatriados. Desde 2006 até hoje, 33 estrangeiros já foram expulsos e 32, deportados do Acre. Dos 32 deportados, 19 eram do sexo masculino e 13 mulheres. Dezesseis deportações foram realizadas em 2006 – sendo 10 peruanos, três bolivianos, um venezuelano e dois espanhóis. Já no ano passado, houve 16 repatriações – 10 bolivianos e seis peruanos.


Em 2006, foram executadas 20 expulsões do território acreano, dentre as quais, 17 peruanos, um boliviano, um chinês e uma filipina. No ano passado, 11 pessoas foram banidas, sendo 10 peruanas e uma boliviana. Já em 2008, até o fechamento desta edição, dois peruanos haviam sido expulsos das terras acreanas.

Jovem procurador assume MPF/AC

Anselmo Henrique ficará na função por dois anos.


Em sessão ordinária, realizada no dia 04 de novembro, o Conselho Superior do Ministério Público Federal promoveu o procurador da República Marcus Vinicius Aguiar Macedo, ao cargo de Procurador Regional da República, a atuar junto ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (Brasília/DF) a partir de hoje, 27.


Com a promoção do procurador Marcus Vinícius Macedo, assume a Chefia do MPF/AC pelo período de 2 anos, o atuante, procurador da República Anselmo Henrique Cordeiro Lopes, 27, que será substituído em seus eventuais impedimentos pelo procurador da República Fernando José Piazenski.

(Assessoria)

E os outros meios de comunicação ?


Sinjac denuncia TV Gazeta - afiliada da TV Record

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Acre (Sinjac) registrou manhã de hoje (27) uma denúncia no Ministério do Trabalho contra a TV Gazeta por descumprimento de acordo coletivo firmado há quatro anos.

O acordo referente ao auxílio universitário, no qual todas as emissoras de televisão e jornais impressos devem garantir o auxílio universitário de 50% do valor da mensalidade do curso de Jornalismo, deixou de ser cumprido pela TV Gazeta desde julho deste ano.

Segundo a cláusula 32ª do acordo, o descumprimento de qualquer das cláusulas constante na convenção coletiva implicará em multa de 17 salários mínimos. Com base na documentação, o sindicato busca por meios legais defender os direitos de todos os jornalistas que sejam contratados das empresas que participaram da assinatura do pacto.

*DO SINJAC.