domingo, 16 de dezembro de 2007

REVELAÇÕES DO SUBMUNDO DO SEXO EM RIO BRANCO

O homem que prefere revelar seu rosto apenas para suas clientes, diz que chefia uma das maiores redes de prostituição no estado com ramificações internacionais. Numa entrevista exclusiva, ele conta segredos do mercado da prostituição de homens e mulheres no Acre. Revela o perfil de seus clientes, fala de como é feita à seleção das meninas e diz que usou a internet, por meio de blogs e comunidades do orkut, para divulgar seu trabalho que denominou como uma cooperativa do sexo fácil. O garoto de programa confessa que pretende fazer uma grande empresa com até disk sexo e festas com encontro de casais. Bastante ousado comenta que não tem medo de ser preso e acredita na justiça.
Durante quase três horas ele conversou com nossa equipe numa entrevista:

Repórter: Como surgiu a idéia de criar uma agência de garotas de programa?
Agenciador:
A falta de dinheiro, incentivo do governo, a gente era um grupo de amigos que se reuniu e decidimos fazer aqui no estado, na cidade. Hoje chamamos de cooperativa, são oito homens e doze mulheres. Começou apenas com três meninas e dois rapazes, há dois anos. Aqui é escasso de trabalho, qualquer serviço que contratam o dinheiro é pouco e precisamos de grana para pagar o apartamento, faculdade. Resolvemos fazer alguns programas. Depois começamos a ver que o programa dava mais que o dinheiro do salário do mês. Foi quando deixamos de trabalhar e passamos a fazer só os programas. O nosso negócio iniciou atendendo a donos de hotéis que recebiam turistas e já chegavam procurando garotas de programa, até hoje ainda fazem isso.

Repórter: Quanto você ganhava no seu emprego por mês?
Agenciador:
Quinhentos reais.

Repórter: Quanto que chega a ganhar no máximo hoje fazendo programa?
Agenciador:
Quatro mil reais por mês, com uma cliente só. Já ganhei mil e quinhentos reais em um único dia.

Repórter: Como é feita a seleção das garotas?
Agenciador:
Tem que ser indicado por alguém, não caçamos meninas por ai. Se for bonita e honesta, tiver uma boa índole, se poder confiar na pessoa colocamos na nossa equipe. Hoje mandamos meninas para Europa e até muitos outros países. Mas elas vão por conta própria, tem uma mulher é um casal fora do Brasil para receber as garotas. Lá elas são bem tratadas, não são escravas do sexo e todas vivem bem. São meninas que se considerem felizes. Tudo isso é muito sigiloso.

Repórter: Tem menores de idade entre as meninas fazendo programa?
Agenciador:
Olha, se alguém acha que tem menor é só pedir os documentos delas, identidade. Tem meninas que pagam faculdade, apartamento, sustentam os filhos e a família com esse dinheiro, já compraram casa para a mãe ou o pai. Elas fazem isso por que elas querem. Ninguém explora sexualmente ninguém, cada uma fica com seu dinheiro e ajudam a manter o blog. O conselho tutelar já foi lá em casa e viu que todas eram maiores de idade e não estavam sendo obrigadas a nada. Eles conversaram com cada uma das meninas.

Repórter: Como é essa história de ajudar manter o blog, o que as suas meninas precisam fazer?
Agenciador:
A gente coloca as fotos delas no blog, divulga, mais para isso elas devem ficar bonitas tem que fazer cabelo, comprar roupas, calçados e se alimentar bem, fazer bronzeamento artificial. Ninguém paga pra trabalhar, elas ajudam a manter o blog assim. Quando é uma menina nova, que não tem dinheiro, os mais antigos têm que ajudar, dar a mão para quem está chegando. Usamos o blog e o orkut para divulgar as garotas, a internet deu uma explosão para nosso trabalho. Nos também gastamos com o laboratório, fazemos com freqüência exames para ver o lance das doenças. Tomamos muitos cuidados e recomendamos uso da camisinha nas transas.

Repórter: Qual o valor de um programa, todos os clientes aceitam e pagam?
Agenciador:
Algumas meninas gostam de cobrar mais caro, não gosta de sair com clientes que pagam pouco. Tem umas quatro que cobram mil reais por todo fim de semana, têm outras que cobram mil e oitocentos reais como acompanhante. Quem procura a gente, são esposas de juízes, advogados, políticos, empresários e até pessoas que não tem emprego, autônomos. A menina mais velha tem vinte e sete anos, todas elas estudam. Alguns rapazes não estudam, tem oito garotos comigo. As mulheres casadas são que mais procuram os garotos para fazer programa. Algumas meninas estão sendo selecionadas e nem todas são pobres. Nos ainda pensamos em criar uma linha telefônica, 0800, e vamos realizar uma festa swing, encontros de sexo com casais sigiloso. Queremos espalhar outdoors pela cidade fazendo o convite. Os ingressos custarão cerca de 700 reais por casal. Até uma produtora de filmes pornô já nós procurou para fazer um filme, mais o dinheiro que eles oferecem é pouco.

Repórter: Você considera a prostituição um crime?
Agenciador:
Eu não estou matando nem roubando, não estou explorando ninguém, mantenho minha família, mantenho minha posição social. Eu acho que isso não é crime, crime e destruir famílias. Eu nunca ouvi falar que alguém foi preso por isso. Quem procura a gente é quem tem dinheiro. Desde que o mundo existe tem prostituição.

Repórter: Se as policias baterem na sua porta, como vai ser?
Agenciador:
Nos não temos medo. Se alguém procurar a gente no caso da policia federal, por exemplo, vamos sentar e conversar. Isso não é crime. Crime é o que os poderosos fazem com gente. Aqui no Acre eu sei que existe justiça, não acho injustiça o que estamos fazendo.

Repórter: Você acredita que todos inclusive você vão conseguir viver bem sempre vendendo o corpo?
Agenciador:
A minha visão e estudar, quando terminar meu curso na faculdade não vou ser tão novo, tão procurado. Não vou ficar fazendo isso à vida toda. Quero um dia sair quando tiver um bom emprego para sustentar minha família.
Eu não gostaria de fazer o que faço. Quase todo dia a gente se arrepende dos programas, eu mesmo já deixei uma pessoa sozinha não peguei o dinheiro e sumi. Não sou uma máquina de fazer sexo. Tem histórias de meninas que quase sofreram agressões, por que tinham passado do horário combinado com os clientes e elas queriam estudar, mas resolvemos tudo na hora, depois que elas me chamaram. Hoje nós já temos homens que fazem a segurança de nossas garotas se for preciso. (sic)

Francisco S. Costa

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

"Meu sonho é passar o natal ao lado do meu filho em casa"


O lamento é de uma mãe que mora no bairro sobral e há quase dois anos sonha compartilhar uma ceia e o carinho do filho na noite de natal. O depoimento dela foi colhido durante uma visita esta semana, dentro do presídio. A mulher que prefere manter sua identidade em segredo, conta que seu filho de 23 anos de idade dependente químico foi preso por comenter pequenos furtos. Há um ano a pena venceu, mas a lentidão da justiça e o acúmulo processos impede a saída do jovem de uma das celas do complexo penitenciário Francisco de Oliveira Conde. O sofrimento é grande, chorando muito ela desabafa.
"Não mostro meu rosto e digo quem sou por que sei que vão fazer maldades comigo e meu filho, as pessoas do presídio não são de confiança". A humilde funcionária pública de 53 anos de idade, diz que por várias vezes já fez o pedido para que seu filho tivesse sua liberdade concedida.
Mas ninguém responde, vão lhe enrolando e pedindo a cada dia documentos e mais documentos. Como se não bastasse isso a mãe ainda sofre constrangimentos durante a revista e tem que esperar várias horas para ser atendida. Na última vez que tentou ver o filho, teve que abandonar o trabalho durante o dia todo, esperou uma manhã inteira para conseguir falar com ele. No outro dia o patrão queria lhe demitir do trabalho. "Meu filho não precisa de uma cela para se recuperar das drogas; médicos, aconselhamento e apoio da família seria o mais importante agora, o presídio é uma tortura para nossa cabeça". A pressão psicológica que são submetidas essas mães é uma realidade diária, histórias que apenas uma teve contagem de contar, mas que muitas mulheres sofrem com frequência. Para essas famílias o maior presente no natal é o sonho de liberdade e vida nova. Um depoimento que reflete a ingerência, fragilidade, incopetência do poder público para resolver coisas simples, que envolvem o amor, maior sentimento que o ser humano consegue compartilhar.

terça-feira, 4 de dezembro de 2007

NATAL FORA DO PRESÍDIO

Durante cinco vezes por ano detentos são beneficiados com a autorização de saída temporária, conhecida como idulto natalino, lei criada pelo governo federal.
O benefício é concedido pelo Ministério Público Estadual e a Justiça Criminal até 10 dias após a solicitação.
Para ser privilegiado é preciso em caso de réu primário ter cumprido um sexto da pena e ser for reincidente até um quarto da pena.
A idéia da autorização de saída temporária é estimuar aos poucos os detentos a inserção social e a famíliar.
O pedido pode ser feito pelos familiares na Defensoria Pública, se não tiver condições de pagar um advogado, mas o primeiro prazo expira nesta terça feira, dia 10 de dezembro, explica do defensor público da vara criminal, Cássio Holanda.
Somente em Rio Branco mais de 120 presos que cumprem pena em regime semi-aberto tiveram seu pedido protocolado para poder passar o natal com a família em casa.
Mais 30 presos podem ter o pedido acatado a qualquer momento, nenhum deles é considerado perigoso pela justiça.
O indulto natalino inicia dia 24 de dezembro e términa dia primeiro de janeiro, neste período fora das celas o detento que cometer crimes ou qualquer violação as leis do país, terá o benefício suspenso e a pena prolongada.

CARTILHA AMBIENTAL PARA PRODUTORES RURAIS

Ha um ano e meio, Sebastião Gama, teve a idéia de plantar sementes de açai na mata ciliar dessa pequena propriedade rural. Hoje, todas as mudas já estão com mais de um metro de altura.
Em reconhecimento a esta idéia de recuperação da mata ciliar, a direção regional do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, INCRA, escolheu a colônia do senhor Sebastião, para o lançamento da cartilha ambiental.
Cerca de 150 produtores do projeto de assentamento limeira, em Senador Guiomard, foram ver de perto o resultado da experiência.
A cartilha tem vinte e sete páginas páginas com informações didáticas aos produtores, sobre como preservar o meio ambiente e transformar as áreas degradadas novamente produtivas.

(Lázaro Barbosa - repórter Tv Acre)

VASSOURA ECOLÓGICA DE GARRAFA PET

O igarapé São Francisco é um dos principais mananciais da capital acreana. No local não é dificil de encontrar garrafas pet dentro do leito, lixo que é despejado por quem mora às margens. Em um outro ponto da cidade, na periferia de Rio Branco, seu Francisco cata as garrafas. Por dia ele consegue arrecadar cerca de trinta quilos do produto. Mas o que para muita gente é lixo, para seu Francisco tem utilidade, fabricar vassouras. O marceneiro desenvolveu uma máquina para isso. O motor utilizado para transformar a garrafa pet, em fios, também foi encontrado no lixo. Antes impulsionava uma máquina de lavar roupas. Peças em madeira também fazem parte do sistema de produção. Cada garrafa produz em média sescenta metros de fios de plástico. Após esssa tranformação, os fios são enrolados e encaixados em um suporte, aos poucos a vassoura vai ganhando forma. Alguns pregos são usados para fixar e ai é só colocar o cabo. Depois do teste pelo fabricante o produto é aprovado para comercialização. Compradores logo aparecem, por quatro reais, Luiz Gonzaga, pretende levar para casa o produto que ainda gera um pouco de dúvida. Muitos comerciantes já estão fazendo pedidos, e até agora, não foi possível estocar a mercadoria. Aos cinquenta e cinco anos, seu Francisco, quer ajudar o meio ambiente, e ao mesmo tempo deixar a profissão de marceneiro definitivamente para apostar em novos empreendimentos.
(Bruno Cássio - jornalista Tv Acre)

LEI DO SILÊNCIO AOS EVANGÉLICOS

Na sessão ordinária da câmara de vereadores de Rio Branco, desta terça feira, seis projetos foram colocados em votação para melhoria da qualidade de vida dos moradores da periferia através de investimentos públicos. Entre os beneficiados estão o Conjunto Montanhês, Edson Cadaxo, João Paulo II, João Eduardo II, Major Mendonça Lima e Villa Tiradentes.
Outro assunto foi o pedido de alteração do plano diretor da cidade, em relação à localização de igrejas católicas e evangélicas e controle do horário de funcionamento dos cultos.
De acordo com vereador Astélio Oliveira, Psdc, as entidades religiosas tem a mesma classificação dos comércios, serviço e indústria que obedeçem um horário de funcionamento que vai das dez horas da noite até às seis da manhã. Os projetos vão agora para análise e parecer das comissões em até trinta dias devem sair uma decisão.
(Alice Regina - repórter Tv Acre)

COMERCIANTES DO ACRE LUCRAM COM CRISE BOLIVIANA

A estudante Camila da Veiga, pesquisa preços e diz que pretende comprar um computados, mas confessa que prefere adquirir o presente de fim de ano em Rio Branco. Para ela é mais seguro que viajar para Cobija na Bolívia, onde se instalou uma guerra civil. "A gente nunca sabe se vai ter confusão de novo, seria bom que podesse ir para lá fazer umas comprinhas, mas fazer o quer se não é possivel'', comenta a acadêmica de jornalismo.
Os comerciantes da capital acreana estão otimistas com este pensamento. Os brasileiros estão preferindo fazer as compras de fim de ano em solo acreano, antes se deslocavam com facilidade pela BR 364 até Cobija na Bolivia, cidade na fronteira do estado, onde os preços são considerados menores. "Os preços praticados aqui estão quase iguais, mas a qualidade e a garantia brasileira faz a diferença". Afirma a jovem estudante.
Segundo um levantamento feito pela Receita Federal, no ano passado os brasileiros deixaram R$ 2,5 milhões em compras no país vizinho. A associação comercial do Acre, espera que o dobro deste valor circule no comércio local. O otimisto é tanto que a estimativa do presidente da associação, Ádem Araujo, é de um crescimento nas vendas de aproximadamente 10%. "Não deve demorar muito tempo esta situação na Bolivia, mas enquanto permanece o comércio local lucra com isso", afirma o presidente da associação.
Entre os setores que devem comemorar boas vendas nesta temporada estão o de eletroeletrônicos, automotivo, perfumaria, brinquedos e demais artigos importados. Nas lojas de informática da capital os vendedores estiveram bem ocupados esta semana. João Paulo gerente de um comércio de suprimentos de informática e computadores, conta que se a época para vender já é boa, o comércio deve aquecer ainda mais com o clima de insegurança em Cobija na Bolivia. Até o fim do ano o gerente espera ter um aumento no faturamento de quase 15%. João Paulo acrescenta que esta situação pode ser bom para o acreano valorizar ainda mais o comércio e os produtos brasileiros.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

SEGUNDONA, DIA INTERNACIONAL DOS CORINTIANOS









Timão é zoado de norte a sul pela internet
Torcedores de vários times aproveitam queda do Corinthians para extravasar criatividade


Thiago Fernandes Do GLOBOESPORTE, no Rio de Janeiro

Novo escudo proposto pelos rivais
Tristeza para uns, felicidade para outros. A queda do Corinthians para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro vem provocando uma verdadeira febre de piadas pela internet. No site de relacionamentos orkut, os principais rivais do Timão se esbaldam nas zoações. Os são-paulinos, por exemplo, criaram um tópico para gargalhar da situação do arqui-rival. Até o momento, mais de duas mil pessoas já “riram” virtualmente nesse tópico, sendo acompanhados por brincadeiras semelhantes nas páginas de Santos, Sport, Náutico, Flamengo, Internacional e Cruzeiro.
Já os palmeirenses resolveram inovar um pouco mais. Além das várias piadas, o clube criou um novo símbolo para marcar a fase do alvinegro na Série B (veja na foto ao lado). A situação do Timão é tão complicada, que até os torcedores do lanterna América-RN estão se divertindo com o assunto. Um americano, inclusive, inventou uma novo grito: “Ei, Corinthians, Série B você vai também”. Na onda das músicas, várias versões para o grito de apoio alvinegro surgiram. Na comunidade “Corinthians 2ª divisão- Série B” torcedores se divertem cantando: "aqui tem um bando de chorão! / Chorão da segunda divisão! / Aqueles que acham que é pouco ainda tem o terceirão / Chega de lutar vão jogar com o Paraná! Vamos timão para segunda divisão".

Até hino é alvo de brincadeiras

Obviamente, os gremistas, responsáveis diretos pela queda do Corinthians, também aproveitam o momento. Parodiando o hino do clube paulista, os tricolores avisam: “Salvem o Corinthians...porque ele vai precisar”. Em uma das muitas comunidades dedicadas ao tema, uma torcedora mostra como deveria ser o novo hino corintiano: Salve o Corinthians / Time da segunda divisão / Eternamente / Alvo de gozação .../ Corinthians na Série B / Isso é muito bom de se ver / Todo Brasil está rindo / Vai cair pra Série C. Dentre as inúmeras brincadeiras, rivais criaram até a comunidade “2 de Dezembro de 2007”, em referência à data da queda do clube. Alguns torcedores se divertem com frases de pura maldade:



- Alô.. alô ... Corinthians ? Ixiiiii acho que caiu. Tu tu tu ..

- Lulinha: 5 milhões. Felipe: 2 milhões. Gustavo Nery: 1 milhão. Corinthians rebaixado: não tem preço.

- Luciano Huck é no sábado, Faustão é no domingo e o Corinthians é na segunda.

sábado, 1 de dezembro de 2007

GLOBO NOTICIA DO ACRE

O pioneirismo da Tv Acre, emissora da Rede Amazônica de Televisão na frente mais uma vez. Nesta semana a Tv Acre, abre espaço na sua programação para mais conteúdo jornalístico. Espelhado no globo notícia da Tv Globo, que veicula durante a programação diária noticias atualizadas do Brasil e do mundo. A tv acreana vai estreiar também logo após o bom dia brasil o boletim informativo denominado, 24 horas, com um formato diferenciado. No informativo de quase cinco minutos o apresentador interagem com o repórter que traz a notícia da rua frequinha e atualizada, com imagens da capital e do interior do estado, através de um tv de plasma montado no estúdio. Com este dinamismo a emissora espera aumentar ainda mais sua credibilidade e conquistar mais seu público, além de atrair bons negócios. O primeiro piloto já foi gravado e as equipes se preparam para correr atrás de informações para preencher este novo espaço. O 24 horas aqueçe a programação da emissora, além de atrair ainda mais o telespectador para os telejornais locais. A idéia partiu da cúpula do jornalismo da Rede Amazônica em Manaus chefiada por Milton Cordeiro e Luiz Augusto. O boletim tem boa aceitação entre os profissionais da emissora e traz mais trabalho para os funcionários, porém com qualidade é possível manter o sucesso.