terça-feira, 16 de outubro de 2007

ACRE: O ESTADO DO DESEMPREGO

Enquanto o governo federal comemora os bons índices da geração de empregos no Brasil, no Acre o Palácio Rio Branco, governado pelos petistas, precisa rever suas políticas de incentivo à economia. Os números apresentados nesta segunda-feira (15) pelo MTbE (Ministério do Trabalho e Emprego) mostram que os indicadores da geração de postos de trabalho cresceram em setembro. Mas no Acre, os números regrediram no primeiro ano do governador Binho Marques. Somente mês passado foram registradas 251.168 contratações em todo o país.Os números, comemorados pelo Palácio do Planalto, supera o registro de carteiras de trabalho assinadas, também em setembro, no ano de 2004: mais de 190 mil. Mas os números do MTbE revelam que em 2007 o Acre regrediu na geração de empregos. Enquanto no último ano do governo Jorge Viana foram criados, em setembro, 1.579 novos postos de trabalho, Binho Marques, com sua política de contenção de gastos, criou 1.288 empregos. Uma queda de 18,43%. Não foi uma redução muito drástica, mas suficiente para colocar o Estado no penúltimo lugar na geração de empregos na região norte do Brasil. O Acre fica atrás apenas do pequeno estado de Roraima -775 carteiras assinadas. Até mesmo o Amapá teve um melhor desempenho. Lá, quase 1.500 postos foram criados no mês passado. O vizinho Rondônia, tanto criticado pelos petistas acreanos, gerou mais de 6.679 empregos. Vale lembrar que todos estes números são referentes a setembro deste ano. Se for comparar o aumento de carteiras assinadas nos grandes Amazonas e Pará, o número do Acre chega a ser irrisório. Estes dois Estados juntos ofereceram mais de 35 mil novas vagas de emprego. Depois do contra-cheque, vem o comércioOs números do MTbE confirmam: o Acre depende da economia do contra-cheque. Ou seja: tudo gira em torno do funcionamento da máquina pública. Depois do Estado, o comércio é o setor que mais gera oportunidades de carteira assinada. Em setembro, os comerciantes colocaram à disposição dos acreanos, 511 novas vagas. A indústria (231), construção civil (171) e agropecuária (138) seguem na ordem dos maiores propulsores da economia local. Os números apontam que a política dos petistas de privilegiar a floresta, em detrimento da população, tem feito o Acre ficar sempre nos últimos lugares do ranking do MTbE.

FONTE: redação 24 horas.

JUSTIÇA PENHORA BENS DE ORLEIR CAMELI


Imóveis do ex-governador Orleir Cameli foram resgatados pela Justiça Federal para pagamento de multa em processo onde ele responde por improbidade Administrativa. Ação está tramitando na Justiça desde 1996 e foi provocada pelo Ministério Público Federal através do procurador Luiz Francisco. Orleir pode perder 3 terrenos no centro de Cruzeiro do Sul onde foram edificadas duas modernas casas. Os bens valem R$ 180 mil reais. O Juiz Pedro Francisco da segunda vara criminal, decidiu, também, pegar cotas de uma das empresa do ex-governador a Agropecuária Colorado Ltda. As cotas estão avaliadas em R$ 1,5 milhão. A dívida de Orleir deve chegar a R$ 500 mil. A condenação nasceu depois de uma desobediência ao Ministério Público Federal. Em 1996, o Procurador Luiz Francisco descobriu uma série de irregularidades na Penitenciária Francisco de Oliveira Conde, em Rio Branco. Os presos estavam com seus direitos violados. Assim como determina a lei, exigiu que o governo instalasse o Conselho Penitenciário para apurar as denúncias dos detentos. Um mês depois do pedido, Orleir apresentou uma lista de conselheiros, só que nunca deu posse. O MPF deu mais 15 dias e nada foi feito. O procurador resolveu impetrar uma ação por improbidade administrativa. Em 1998, dois anos após a denúncia e quando já saia do cargo, o gestor foi condenado a pagar uma multa diária de R$ 5 mil pelo atraso na instalação do conselho. Em 2006, 10 anos depois da denúncia a Justiça Federal multou Orleir em R$ 350 mil. Pelos valores atuais o débito deve chegar a R$ 500 mil. A Justiça Federal enviou a decisão para o fórum de Cruzeiro do Sul, para que a Justiça Estadual pudesse fazer cumprir a decisão. O primeiro leilão das casas e cotas está marcado para o dia 22 de outubro, se não aparecer arrematador, o próximo leilão será realizado 5 de novembro. Por enquanto os advogados de Orleir não recorreram da decisão. A decisão está no diário oficial do dia 10 de outubro e chamou a atenção. Ninguém esperava uma condenação para o ex-governador. Ricos e poderosos, os irmão e primos de Orleir comandam a rede comercial de Cruzeiro do Sul. Na política voltaram a ter espaço. O vice-governador César Messias é primo de Orleir, tem ainda o sobrinho Gladson Cameli, deputado Federal e outro primo no Tribunal de Contas do Estado, Cristovão Messias, alem de Antonio Malheiros, atual presidente do TCE ter sido o homem de confiança de Orleir período em que ele foi prefeito de Cruzeiro do Sul.Apesar de responder dezenas de processos por improbidade administrativa, Orleir Cameli ainda vende serviços para o Governo. Uma de suas empresas ganhou a licitação para fazer o asfaltamento de 20 quilômetros da BR 364 entre Tarauacá e Cruzeiro do Sul. Um contrato de R$ 40 milhões. O governo que contrata Orleir é o mesmo que 9 anos atrás fazia as denúncias contra ele.Dizem nos corredores político que existia um acordo entre o empresário Orleir Cameli e o ex-governador Jorge Viana. Pelo acordo, segundo contam, Orleir daria apoio a sua candidatura (primeira eleição ao governo) e Jorge Viana, se eleito, não mexeria nas contas do ex-governador e ainda faria um esforço junto a sua base aliada na assembléia para que sua prestação de contas fosse aprovada. O fato é que nunca o governo do Partido dos Trabalhadores nunca denunciou Orleir Cameli, mas também até hoje não moveu uma palha para aprovar as suas contas.