quinta-feira, 13 de outubro de 2011

BISPO DE RONDÔNIA É AMEAÇADO DE MORTE


Dom Moacyr Grechi sofreu ameaças de fazendeiro

Dom Moacyr Grechi sofreu ameaças depois de ter pedido a Ouvidoria Agrária intervir para evitar o despejo de  45 famílias de posseiros de Ariquemes . 

Dom Moacyr tinha pedido a intervenção da Ouvidoria Agrária e a Justiça Federal concedeu um prazo de mais 60 dias para as famílias. 

Segundo o INCRA, existe uma ação de retomada judicial da área, pois é terra da união. Dom Moacyr teria registrado queixa na Delegacia de Polícia Civil e o MPF aberto inquérito civil público para averiguar as ameaças recebidas. 

Ministério Público Federal em Rondônia abriu na semana passada um Inquérito Civil Público para averiguar ocorrências de atentados a Direitos Fundamentais do arcebispo de Porto Velho, Dom Moacir Grechi. O arcebispo vem recebendo ameaças de morte por causa de sua atuação na Comissão de Justiça e Paz junto aos movimentos sociais. Dom Moacir registrou queixa na Delegacia de Polícia Civil e um suspeito pelas ameaças já teria sido ouvido.

Segundo o Ministério Público Federal a instauração do Inquérito se justifica devido à “flagrante ausência de políticas públicas voltadas para a redução da violência no Estado de Rondônia, notadamente no que se refere à violência decorrente de movimentos sociais, sejam urbanos ou rurais, o que tem resultado historicamente na ocorrência de diversos crimes contra lideranças comunitárias”. 

Dentre as providências já tomadas preliminarmente, o MPF-RO solicitou à Direção Geral da Polícia Civil cópia das informações sobre as providências já adotadas em relação à denúncia, principalmente o teor do interrogatório de uma dos acusados; comunicação do fato à Ouvidoria Agrária Nacional; e ao próprio Dom Moacir Grechi que matenha o MPF-RO informado sobre qualquer outra ocorrência de ameaças que venha a sofrer durante o curso das investigações.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

RO: CADA POVO TEM OS POLÍTICOS QUE MERECE

O senador Reditário Cassol (PP-RO) criticou o auxílio pago pelo governo federal às famílias dos presos e defendeu o uso do chicote como forma de disciplinar os detentos.




Podemos chicotear os politicos semi-analfabetos e corruptos também?

quarta-feira, 20 de julho de 2011

REVISTA VEJA PODE PUBLICAR ESCÂNDALOS DE DEPUTADA DO ACRE

Revista Veja tem escutas telefônicas de Antônia Lúcia
Já está há mais de 60 dias nas mãos do jornalista Hugo Vaz que trabalha para a Revista Veja, as conversas do grampo telefônico autorizado pela justiça e, feito pela Policia Federal e o Ministério Público Federal do Acre, contra a deputada federal Antônia Lúcia (PSC/AC).
Hugo é o mesmo jornalista que foi xingado no senado pelo ex-presidente da república Fernando Collor, por ter gravado uma conversa ao celular. Vaz também é responsável por descobrir as consultorias do ministro da casa civil, Antonio Paloci, homem de confiança da presidenta Dilma Roussef.
A deputada é “missionária” da Igreja Evangélica Assembléia de Deus e mulher do deputado federal Silas Câmara, pastor da mesma igreja. Antônia Lúcia é processada por compra de votos, fraude processual, formação de quadrilha, peculato e falso testemunho. A Justiça determinou a quebra do sigilo telefônico da deputada e de pessoas ligadas à sua campanha.
De acordo com o Ministério Público Federal do Acre, Antônia Lúcia e outras dez pessoas participaram de uma distribuição de combustíveis em 28 de agosto de 2010. Pouco tempo depois, em 6 de setembro, a Polícia Federal apreendeu uma caixa com R$ 472 mil em um carro em que estava a filha da deputada. Segundo o MP, o dinheiro seria utilizado na campanha.
O conteúdo do grampo – Nas conversas telefônicas registradas pela justiça, a deputada mantém longos diálogos com o ex-diretor de policia civil do Acre, e, deputado estadual Walter Prado, de maneira bem íntima. Diálogo semelhante ocorre também com o jornalista Ray Melo, assessor da missionária e que trabalha também para o jornal “O Rio Branco”, e o site AC 24 HORAS. Ambos aparentemente colaboravam com as ações da deputada.
Em outros trechos do grampo, a missionária faz acertos referentes à distribuição de combustíveis, recrutamento de eleitores para compra de votos, e principalmente sobre a remessa de quase R$ 500 mil, para financiamento de sua campanha eleitoral. Existem também trechos quem Lúcia, faz acertos com o marido, e revela o medo de estar sendo vigiada.
As mesmas conversas também estão sendo remetidas para o jornal Correio Brasiliense, Revista Època, e demais veículos de comunicação de grande porte do país, inclusive emissoras de TV. O envio dos documentos tem sido feito por adversários e inimigos político da deputada, que tem interesse na vaga dela no Congresso, caso seu mandato seja cassado.
Enquanto a deputada tenta articular seu mandato, está sendo investigada e vigiada 24 horas pela grande imprensa nacional e até a justiça.

terça-feira, 19 de abril de 2011

CONSUMO DE DROGAS NO ACRE

Meninas de 8 anos e mulheres de até 60 anos consomem oxi e fazem programas por R$ 2
Carolina Benevides, O Globo
Crianças na pista da BR 364, que liga Rio Branco, no Acre, a Porto Velho, em Rondônia, na BR 317 - a Estrada do Pacífico - e no bairro da Judia, na capital acreana, ficam horas e horas nas ruas, mas não estão brincando. Nas BRs, as meninas, com idades entre 8 e 14 anos, estão à espera de caminhoneiros, com quem vão fazer programas que custam entre R$ 2 e R$ 5. Na Judia, bairro de classe média baixa, elas ocupam as calçadas e são abordadas por homens de todas as idades. Além de se prostituírem, usam drogas como merla, cocaína e oxi - uma nova droga, subproduto da cocaína e pior que o crack, que surgiu no Acre e já se espalhou pela Região Norte, por estados do Nordeste e do Centro-Oeste e chegou a São Paulo, conforme O GLOBO mostrou no último domingo.
Na capital, as meninas são encontradas também perto do Mercado, na antiga rodoviária, no bairro 6 de Agosto, na Avenida Chico Mendes, na esquina da Rua 24 de Janeiro e perto das pontes que cortam a cidade. As menores vão para as ruas por ordem dos pais.
- As mais vulneráveis são as que moram perto das BRs e do bairro da Judia. Elas completam 8 anos e os pais as mandam para as ruas para conseguir dinheiro, dizem abertamente que devem se prostituir. Eles misturam cocaína com suco, elas tomam e saem. Começam praticando sexo oral e recebendo carícias. Daí, para o sexo é rápido - conta Z., que oferece ajuda para as prostitutas de Rio Branco desde 1987.
Segundo Z., na capital, cada bairro tem seu ponto de prostituição, divido entre as menores, as mulheres casadas, as que se vestem melhor, as mais pobres e os travestis. Em comum, a droga:
- Nas décadas de 80 e 90, elas não se drogavam. Hoje, a cada 50 profissionais do sexo, uma faz de cara limpa. Elas têm usado muito oxi e também bebem cada vez mais e mais cedo. A justificativa é: "Preciso chapar para encarar o programa".
Perto do Mercado, mulheres e crianças oferecem programas a partir das 9h. Elas usam um bar, na beira do Rio Acre, com pequenos quartos nos fundos para atender aos clientes. Funciona todos os dias da semana até as 22h e os preços variam de R$ 5 a R$ 20, dependendo do serviço a ser feito. Por lá, as drogas são vendidas a partir de R$ 5 e é possível encontrar oxi, merla e cocaína.
- Usei oxi pela primeira vez com um cliente. Ele trouxe, deu uma fissura legal. Peguei o dinheiro que ganhei dele e fui comprar pedra. Agora, uso todo dia e me sinto bem - conta H., de 23 anos, que têm três filhos e desde que começou a fumar, há pouco mais de um mês, não tem passado muito tempo com eles.
Essa sensação de bem-estar que as usuárias de oxi relatam - "minha viagem mais tranquila", "quem inventou oxi é abençoado", "tive momento de paz" - tem feito com que quem divide espaço com elas nos bares, prostíbulos e até nas ruas passe a usar a pedra. O interesse na droga é tanto que alguns traficantes dão as pedras para que usem durante os programas e viciem os clientes.
- O oxi faz com que esqueçam a camisinha, com que peguem HIV, hepatites e nem se importem de passar para os clientes, além de não se cuidarem e de terem muitos filhos. E, infelizmente, em Rio Branco, sexo e droga são experiências cada vez mais precoces - conta Alvaro Augusto Andrade Mendes, pesquisador da Associação de Redução de Danos do Acre (Aredacre)

segunda-feira, 18 de abril de 2011

terça-feira, 5 de abril de 2011

JORGE VIANA É OFUSCADO PELA IMPRENSA DE RONDÔNIA

Acostumado com os holofotes da imprensa acreana, o Senador do Acre, Jorge Viana (PT), foi deixado de lado pelos jornais de Rondônia. 
Viana acompanha Comissão de Meio Ambiente, Fiscalização e Controle do Senado que está em visita ao canteiro de obras da Usina Hidrelétrica de Jirau. Os senadores tentam entender os motivos dos protestos violentos dos trabalhadores da Usina que resultaram na paralisação das obras do maior empreendimento do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal – Pac.
Jorge Viana é sua equipe sempre deram um jeitinho com dinheiro público de pagar jornais, rádios, TV’s, sites e demais veículos de comunicação que possam lhe aproximar do público e torná-lo um “líder”. Mas em Rondônia o senador acreano azedou feio. Jorge Viana ganhou apenas tímidas citações em textos dos jornalistas.
O site Rondônia Agora, em seus textos nem mencionou o nome de Viana. Outra página eletrônica como Rondonia ao Vivo, também fez o mesmo. Já o jornal O Rondoniense, colocou o nome de Jorge Viana, praticamente na última linha, bem no final do parágrafo. E assim sem mantiveram os outros veículos de comunicação.
Nunca na sua história política Viana, esteve tão apagado, como nesse evento com os senadores. Acontece que Jorge, não tem o mesmo prestígio que os colegas eleitos naquele Estado, como: Ivo Cassol (PP-RO), Acir Gurgacz (PDT-RO) e Valdir Raupp (PMDB-RO). Ambos não são aliados dos petistas. O próprio Cassol quando governador andou puxando a orelha dos PT acreano. Afinal sempre dependemos economicamente dos rondonienses.
Viana provou finalmente do doce veneno. Assim como faz com a oposição tentando afastá-los dos principais jornais, ele agora sentiu na pele o que é ser tratado como um "Zé Ninguém".

sábado, 2 de abril de 2011

SENADOR DO ACRE PODE TER O MANDATO CASSADO

A direção do PMN no Acre deu entrada no Supremo Tribunal Federal (STF) com um mandado de segurança em que pede a cassação do senador Anibal Diniz (PT-AC) por fraude, falsidade ideológica, improbidade administrativa e abuso de poder econômico e político.
O mandado de segurança é assinado pelo senador Sérgio Petecão (PMN-AC), presidente da sigla no Estado, e pelo secretário-geral Carlos Augusto Coelho de Farias.
Ambos acusam Diniz de não ter se desincompatibilizado de cargo público no prazo legal para concorrer às eleições em 2006, como primeiro-suplente de Tião Viana (PT-AC).
Coelho é o segundo-suplente. Diniz, que era o primeiro-suplente, assumiu a cadeira de senador em dezembro do ano passado, uma semana antes de Viana tomar posse como governador do Acre.
Petecão e Coelho afirmam que Diniz “chegou ao Senado através de Ato Secreto” porque foi exonerado do cargo de secretário de Comunicação do governo do Acre no dia 1º de abril de 2006.
Segundo os dirigentes do partido, no dia 24 de abril, Diniz foi nomeado pelo decreto nº 14.223, retroativo a 1º de abril, para o cargo em comissão de assessor especial da Secretaria Extraordinária de Desenvolvimento das Cidades e Habitação.
O decreto, de acordo com Petecão e Coelho, foi mantido em sigilo durante nove meses, o que inviabilizou eventual recurso contra diplomação ou ação de impugnação do mandato eletivo de Diniz.
O senador Anibal Diniz disse que seus dois adversários estão querendo prorrogar o processo eleitoral.
- Estou tranqüilo porque este é um assunto requentado. Eles perderam no TRE, recorreram ao TSE e também também perderam. Depois foram ao STF, que julgou a ação sem mérito. Tomei posse porque não houve nenhum impedimento - acrescentou.
Diniz adiantou que a direção do PT no Acre deverá se manifestar ainda nesta quinta-feira contra a atitude do PMN.

Nota da diretório regional do PT:

"Com a imprensa nacional noticiando a decisão de abandonar o PMN na carona de manobra do prefeito de São Paulo para burlar a legislação eleitoral, o senador Sérgio Petecão, ao invés de esclarecer sobre a sua infidelidade partidária, investe novamente contra a Frente Popular do Acre, a mesma que ele usou tantas vezes para se eleger e depois abandonou sem justificativas, passando a criticar e a ofender os companheiros que lhe garantiram oito anos de presidência da Assembléia Legislativa e um mandato de deputado federal.

Agora o Senador Sérgio Petecão leva ao Supremo Tribunal Federal um pedido de cassação do senador Aníbal Diniz. É a mesma ação já julgada em várias instâncias, com a Justiça reconhecendo a legitimidade do mandato de Aníbal Diniz, que assumiu o Senado com a eleição do senador Tião Viana para o Governo do Acre.

Provas e sentenças judiciais sustentam que não houve falha no registro da candidatura de Aníbal Diniz a primeiro suplente do senador Tião Viana, em 2006, como quer o senador Sérgio Petecão para cassar Aníbal e empossar o segundo suplente, um conhecido assessor de Petecão, o senhor Carlos Coelho. Só isso basta para revelar a natureza duvidosa dos interesses desse processo, já enterrado pela Justiça Eleitoral. É mais uma manobra de pessoas desocupadas, que nunca souberam o que é trabalho e não têm compromisso com o nosso povo nem com nosso Estado.

Parece que o senador Sérgio Petecão  e seu assessor-suplente tentam tirar o último proveito do PMN, antes de jogar fora o bagaço da laranja chupada. É público que sua nova filiação vem sendo negociada com o governador do Amazonas, deixando de lado os que lhe ajudaram a fazer o PMN no Acre e pegando o atalho para um “novo partido” que nasce no berço rico do prefeito de São Paulo, outro que, como Petecão, parece esquecer-se da recente campanha que fez para José Serra e contra a presidenta Dilma.

O senador Sérgio Petecão, por conta de suas negociatas políticas, está deixando em dúvida se o mandato que ele recém conquistou é do Acre ou do Amazonas. Achando pouco, está querendo se apropriar de um mandato que é legítimo do PT e tão bem exercido pelo Senador Aníbal Diniz.

A história política de Aníbal Diniz se confunde com a história do próprio PT no Acre. Militante fundador do Partido, sempre teve papel decisivo na construção da Frente Popular e no sucesso dos nossos governos. E, com competência e dedicação, desempenha o desafio de representar o nosso projeto no Senado Federal.

O Acre está dando certo, o Brasil está dando certo. Resultados que são fruto do trabalho árduo e persistente de pessoas sérias, honestas e comprometidas com a população menos favorecida do nosso país. No Acre, seguimos sob a liderança do governador Tião Viana rumo à afirmação de uma sociedade mais justa. Depois do sucesso do governo Lula, o Brasil avança com a presidenta Dilma.

O Partido dos Trabalhadores exige coerência, seriedade e respeito na política. É preciso deixar que as pessoas de bem investidas em mandatos públicos possam trabalhar, especialmente Aníbal Diniz, senador legitimamente empossado, preparado para o exercício da função e dedicado a exercer um mandato exclusivamente a favor do povo do Estado do Acre e do Brasil.
Rio Branco-Acre, 31 de março de 2011

Direção Regional do Partido dos Trabalhadores"